Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

INESC TEC cria soluções de energia elétrica para a Infraestruturas de Portugal
23-08-2017

O Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), do Porto, está a apoiar a empresa Infraestruturas de Portugal na escolha de soluções que permitam ligar novas subestações de alimentação de energia elétrica à rede ferroviária.


O INESC TEC vai analisar soluções de alimentação em energia elétrica em Alta Tensão (AT) e Muito Alta Tensão (MAT), para subestações de tração que visam alimentar a rede ferroviária nos corredores Internacional - Sul, Norte- Sul e linhas do Oeste, Douro e Algarve, disse à Lusa o investigador do INESC TEC, João Peças Lopes.


"As subestações de tração provocam, normalmente, um desequilíbrio no sistema trifásico, que pode ser propagado para o restante sistema elétrico, afetando a qualidade do serviço prestado pelas concessionárias de rede aos consumidores finais", explicou.


Segundo o investigador, para forma evitar que tal aconteça, é necessário identificar as configurações de rede de alimentação ou encontrar soluções associadas a equipamentos especiais, que reduzam esses problemas.


No entanto, "todas estas soluções técnicas têm custos", sendo necessário avaliá-los para encontrar a opção que seja "tecnicamente mais eficiente", face aos problemas de qualidade de serviço transpostos para a rede pública, contou João Peças Lopes.


Nesse sentido, para além do trabalho de assessoria técnica, a equipa do INESC TEC vai também auxiliar a Infraestruturas de Portugal na avaliação os custos de investimento.


O projeto, que teve início em julho de 2017 e finaliza em 2018, é a primeira parceria entre o INESC TEC e a Infraestruturas de Portugal, que incorporou a Rede Ferroviária de Alta Velocidade (RAVE).


A equipa envolvida no projeto é composta pelos investigadores João Peças Lopes, Manuel Matos, João Tomé Saraiva, Carlos Moreira e Luís Seca, do Centro de Sistemas de Energia (CPES) do INESC TEC.