Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Exposição de Jorge Pinheiro: "Jorge Pinheiro: d'après Fibonacci e as coisas lá fora" apresentada pelo Museu de Serralves
05-09-2017
"D'après Fibonacci e as coisas lá fora" é o título de uma exposição de Jorge Pinheiro e apresenta uma sequência de trabalhos de artistas de relevo do século XX que permanecem numa relativa obscuridade no seio de um público fora das fronteiras nacionais, que estará patente ao público de 15 de setembro 2017 a 7 de janeiro de 2018.

A mostra foi concebida por Pedro Cabrita Reis, a convite da Diretora do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Suzanne Cotter e congrega pinturas, desenhos e esculturas do influente artista português Jorge Pinheiro (Coimbra, 1931).

O desenho da instalação da exposição foi concebido pelo arquiteto Eduardo Souto Moura, Prémio Pritzker Prize 2011. 

Foram selecionadas 80 obras, de vários períodos específicos do percurso de Jorge Pinheiro, que vão desde 1960 até à atualidade. Um dos destaques desta mostra é a escultura especificamente criada para esta exposição, conjugada com o contexto da arquitetura do Museu, da autoria de Álvaro Siza. 

O catálogo da exposição reedita, para além das obras expostas em Serralves, os cerca de 90 desenhos que integram uma exposição simultânea na Fundação Carmona e Costa, em Lisboa, contextualizadas por uma entrevista de Jorge Pinheiro conduzida por Pedro Cabrita Reis e um ensaio do poeta e crítico de arte João Miguel Fernandes Jorge.

Jorge Pinheiro concluiu os Estudos em Pintura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto, em 1963.

 Em 1966, com uma bolsa da Fundação Gulbenkian, Jorge Pinheiro viaja pela Europa e encontra inspiração nas pesquisas da Abstraccion-Création, pelas propostas da arte concreta, da shaped canvas e, particularmente, pelo pensamento estruturalista, expandindo o seu vocabulário formal e privilegiando, na pintura, no desenho e na escultura, a mecânica das ditas "formas da expressão", percebidas como os constituintes basilares da perceção visual.

Nos anos de 1970, Pinheiro começa a explorar as noções de ritmo e de serialidade, cuja formalização evidencia o interesse do artista pelas áreas da música e do número, em particular pelo dodecafonismo de Schönberg e a série de Fibonacci.

"Jorge Pinheiro: D´Après Fibonacci e As Coisas Lá Fora" é um projeto organizado em parceria com a Fundação Carmona e Costa, Lisboa.

A inauguração tem lugar no Museu de Serralves no dia 15 de setembro, às 22,00 horas e a entrada é livre.