Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

CIBIO recebe financiamento histórico da Comissão Europeia e torna-se centro de investigação de referência mundial
08-04-2019

O CIBIO - Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos da Universidade do Porto viu aprovadas pela Comissão Europeia duas candidaturas ao programa Widening, no âmbito do Horizonte 2020, a Teaming e a ERA-Chair. O financiamento global pode ascender aos 150 milhões de euros, o que representa o maior alguma vez atribuído a um centro de investigação português.


"Com a aprovação destas candidaturas temos o contexto ideal para o desenvolvimento de investigação inovadora, de elevada qualidade e com um forte impacto social, ambiental, económico e cultural, o que contribui para uma sociedade mais bem capacitada para efetuar escolhas informadas", afirma Nuno Ferrand, diretor do CIBIO.

O projeto BIOPOLIS será outorgado com a maior parte do investimento, que inclui o desenvolvimento de um centro de investigação de excelência em biologia ambiental, ecossistemas e agrobiodiversidade.

O BIOPOLIS é coordenado por um consórcio que inclui a Universidade de Montpellier e a Porto Business School, bem como um conjunto diversificado de agentes do setor público e privado nacional e internacional, tais como decisores políticos, universidades e centros de investigação, empresas e a sociedade civil.

O projeto foi submetido em 2017 e passou com distinção as duas fases de candidatura estabelecidas pela Comissão Europeia, posicionando-se em ambas no topo das avaliações a nível europeu.

A aprovação do BIOPOLIS "é um sonho tornado real", de acordo com Nuno Ferrand, sendo que "o objetivo passa por tornar o CIBIO num centro de investigação referência mundial na área da biodiversidade e da sustentabilidade daqui a sete a dez anos. Atualmente, já somos o maior centro de ciências biológicas do país, temos mais de 400 pessoas, 34 grupos de investigação, mas agora que chegamos até aqui, acreditamos que podemos fazer muito mais".