Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Melhores velejadores do mundo disputam título europeu de Laser no Porto
11-04-2019
Os melhores velejadores do mundo da classe olímpica Laser têm encontro marcado nas águas da Frente Atlântica para competir pelo título europeu da modalidade, de 18 a 25 de maio. O Campeonato Europeu de Laser 2019 foi hoje apresentado e volta a juntar os municípios do Porto, Matosinhos e Vila Nova de Gaia num projeto desportivo internacional comum.

Para além de atribuir o título europeu na classe, a prova serve de qualificação para os Jogos Olímpicos Tóquio 2020, estando já confirmados 23 dos 25 velejadores de topo a nível mundial.

Na sua intervenção, o presidente da Câmara do Porto salientou que a vela tem sido "emblemática" para as iniciativas da Frente Atlântica, porque "apanha o oceano e o rio que nos une a todos e tem sido sempre uma das nossas vocações no plano desportivo".

Rui Moreira, que assume este desporto como o seu favorito e também ele um dos primeiros velejadores em território nacional da classe Laser, enfatizou que a Frente Atlântica não tem custos para o erário público.

"Conseguimos fazer uma associação sem custos, não tem orçamento, não tem funcionários, não custa um tostão. Baseia-se apenas numa boa colaboração entre os três municípios, usando as estruturas que temos", referiu.

Por sua vez, Luísa Salgueiro, presidente da Câmara de Matosinhos, recordou que faz precisamente quatro anos que os três municípios apresentaram uma iniciativa internacional conjunta: o Campeonato Europeu de 49er Porto 2015.

"Tal como quem está a velejar no mar não conhece fronteiras, a Frente Atlântica segue esse princípio do ponto de vista político: não encontramos fronteiras quando se trata de valorizar os nossos três municípios", disse a autarca.

Luís Pedro Martins, presidente da entidade de Turismo do Porto e Norte, referiu que, numa região que só no ano passado recebeu 4,3 milhões de turistas, a "promoção é feita muito à base dos conteúdos que temos de oferecer" e que devem ser "diversificados".




Já há 320 inscritos de 53 nacionalidades

O diretor da prova, Diogo Barros, adiantou que, a 37 dias da realização do evento, já há "320 embarcações inscritas, que terão o apoio de aproximadamente 80 a 100 treinadores, de 53 nacionalidades".

Embora seja um campeonato europeu, a prova é aberta a todas as nacionalidades, sendo que, entre os inscritos, encontram-se países como os "Estados Unidos, as Ilhas Seicheles, a China, a Austrália ou a Nova Zelândia", disse.

Quanto à representação nacional, para já marcam presença 35 portugueses que vão tentar o apuramento para Tóquio 2020. Entre eles, está Carolina João que integra o projeto "Esperanças olímpicas" da Federação Portuguesa de Vela e que esteve na apresentação do evento. Rui Silveira, Eduardo Marques e Tomás Pires de Lima são outros dos nomes apontados por Diogo Barros para uma possível classificação olímpica a conseguir nas águas da Frente Atlântica.

O campeonato está subdividido por classes (sendo as principais Laser Standard - masculinos- e Laser Radial - feminino - de qualificação olímpica) e será disputado todo em mar, em dois campos de regata: um frente às praias de Vila Nova de Gaia e outro ao largo das cidades do Porto e de Matosinhos.

Entre terra e mar, estarão envolvidas mais de 70 pessoas na organização, que é repartida pela Academia de Vela BBDouro e pela Douro-Marina em parceria com os municípios do Porto, Vila Nova de Gaia e Matosinhos.

A pouco mais de um mês da sua realização, começou a preparação para o campeonato e já chegaram vários velejadores para treinar. Gustavo Lima, antigo velejador olímpico português presente no lançamento da prova, explicou a "dificuldade que é velejar" nos dois campos de regatas, "fruto do vento forte e com uma vaga larga" normal na região do Litoral em maio, que exige "um grande esforço físico aos velejadores".

O Laser é um barco ide classe olímpica com regatas disputadas em "one design", apenas por um velejador. Conhecido por ser um barco que exige muito da capacidade física do tripulante, é considerado o barco de regata mais popular do mundo.