Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Campanha "Cidade Livre de Fumo" alerta para malefícios do tabaco
16-11-2017
Duas instalações, uma junto à Estação de Metro da Trindade e outra à entrada do Mercado do Bom Sucesso, alertam quem passa para os malefícios do tabaco. A iniciativa é da Pulmonale - Associação Portuguesa de Luta Contra o Cancro do Pulmão e insere-se na campanha de sensibilização "Cidade Livre de Fumo", que assinala no Porto, hoje e amanhã, o Dia do Não Fumador (17 de novembro).
  
Concebidas pelo artista Rui Azevedo, as obras são formadas por "beatas" de cigarro gigantes. A ideia é mesmo criar impacto, fazer refletir e "alertar para uma questão social" com repercussões graves em vários níveis, sobretudo na saúde.

Esta manhã, o presidente da Câmara do Porto chamou a atenção para a importância desta campanha, "principalmente junto dos jovens", e elogiou a Pulmonale, sediada na cidade. Iniciativas como esta, "da sociedade civil, devemos encorajar", disse Rui Moreira, salientando ainda tratar-se de uma ação de sensibilização "bem-feita, com um objeto de arte interessante".

Isabel Magalhães, presidente desta Associação, lembrou que o problema do tabagismo "ultrapassa a questão do cancro do pulmão. É, segundo a Organização Mundial de Saúde, a principal causa de morte evitável do mundo. No caso do cancro do pulmão, 85 por cento dos casos diagnosticados são causados pelo tabaco", uma percentagem que se cinge aos fumadores ativos.

A nível mundial, relembrou a responsável, este é "o cancro que mais mata. Em Portugal, não sendo o mais prevalente, é também o mais mortífero". Anualmente, são diagnosticados quatro mil novos casos e registadas cerca de 1700 mortes.



A Pulmonale realiza todos os anos em novembro, mês em que se assinala o cancro do pulmão e o Dia do Não Fumador, uma campanha de sensibilização quer para a patologia quer para o tabagismo. Este ano, além das duas instalações, há mupis espalhados pela cidade. O programa compreende ainda a atribuição do prémio anual de jornalismo a uma personalidade que se tenha distinguido pela qualidade do trabalho em prol do esclarecimento sobre a doença e os malefícios do tabaco. Em 2017 é reconhecida Paula Rebelo, da RTP, que recebe hoje o galardão na Fundação Manuel António da Mota, em cerimónia a decorrer após a apresentação, às 18,30 horas, de um espetáculo pelo Balleteatro.

Ao nível nacional, a Associação está ainda a realizar a campanha "Ser Fixe é não Fumar - Sê Embaixador desta Causa", especialmente dirigida aos jovens. Como observa Isabel Magalhães, "é normalmente na juventude que se inicia o hábito tabágico, como forma de afirmação entre pares". A intenção é que as ações de sensibilização (a decorrer em escolas e outros locais frequentados pelos jovens) "não sejam isoladas, mas tenham sustentabilidade no tempo. Daí a necessidade de encontrar em cada lugar um jovem que assuma a causa como sua e seja o portador da mensagem".

Ao encontro desta necessidade de sensibilização foi também Rui Moreira. Reconhecendo que uma cidade livre de fumo de tabaco "não é algo que se consiga de um momento para o outro", o autarca reforçou a importância de se intervir junto dos mais jovens.