Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Porto tem plano para mortalidade rodoviária zero mas em 2017 já não houve mortes por atropelamento
22-05-2019

A Câmara do Porto tem em marcha o Plano Municipal de Segurança Rodoviáriaque estabelece como meta zero vítimas mortais até 2021. Recorde-se que, pela primeira vez, em 2017, não houve um único atropelamento mortal na cidade, de acordo com a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária.


O Plano, recentemente aprovado por unanimidade em reunião de Câmara, estabelece como metas, no prazo de três anos, mortalidade zero na rede viária municipal e ainda a redução de 30% dos acidentes com vítimas.

Na realidade, os dados mais recentes mostram que os objetivos, embora ambiciosos, são perfeitamente alcançáveis: em 2017, pela primeira vez, o Município do Porto não registou nenhuma morte por atropelamento.

Segundo os dados da ANSR, em 2012 houve no Porto, dois mortos por atropelamento. Em 2013, o número de vítimas mortais subiu para seis, oscilando ligeiramente dentro deste valor até ao ano de 2017, altura em que não houve o registo de uma única vítima mortal no Porto.

Um número histórico que pode ser entendido à luz das medidas que a autarquia tem vindo a implementar nos últimos anos, nomeadamente: reforço das condições de visibilidade entre condutores e peões; reforço de sinalização vertical e de marcas rodoviárias (pavimento); instalação de semáforos para proteção ao atravessamento; introdução de tempo de semáforo exclusivo para peões; reforço da sinalização das passadeiras com LED's; estreitamento de via com limitadores para redução da velocidade de circulação; e a criação de novas passadeiras, onde as distâncias entre atravessamentos é excessiva.

Além disso, tendo em conta o aumento do número de pessoas que transitam a pé no centro da cidade, a Câmara do Porto tem vindo a aplicar progressivamente algumas medidas que visam melhorar a segurança rodoviária, de que são exemplo as Zonas de Acesso Automóvel Condicionado, tal como o Largo de São Domingos, a Ruas das Carmelitas, Galerias de Paris e Cândido dos Reis.

Complementarmente, tem procedido à colocação de contadores de tempo nos semáforos dos atravessamentos/passadeiras mais procurados, medida esta que se tem verificado muito eficaz nas passadeiras onde já foram instalados.