Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Câmara restaurou estátua no jardim de Arca D'Água
29-06-2016

O conjunto escultórico do Jardim da Arca D'Água "A Família", da autoria de Charters de Almeida, foi reabilitado, este mês, por iniciativa da Câmara do Porto.


A reabilitação desta obra de 1971, constituída por três figuras esguias - homem, mulher e criança, em representação da família -, consistiu na reconstituição do aro metálico que a criança segura, numa limpeza cuidada e na reparação da patine que a caracteriza. Os trabalhos de conservação e restauro forma da responsabilidade da empresa especializada Fundição de Bronzes de Arte.


João Charters de Almeida, nascido em 1935, é escultor e professor aposentado. Frequentou a Escola Superior de Belas Artes do Porto entre 1956 e 1962, tendo concluído o curso superior de Escultura em 1962 com a classificação de 20 valores. Nesta escola, foi discípulo de Salvador Barata Feyo (1899-1990).


Ao longo da sua carreira, Charters de Almeida explorou materiais diversos como o barro, o metal e o betão. A sua arte está representada em museus e coleções privadas em Portugal, em vários países europeus, nos Estados Unidos da América, no Brasil, no Canadá e no Japão. Tem trabalhos de grande escala em espaços públicos portugueses, belgas, norte-americanos, canadianos e chineses. Além do trabalho escultórico, fez cenografia e figurinos para o Ballet Gulbenkian e para o Teatro Nacional de S. Carlos.


Além d' "A Família", os jardins do Porto contam com outra obra da autoria de Charters de Almeida: Maturidade data de 1962 e está localizada na plataforma ajardinada do topo norte da Rua de Sá da Bandeira.


O Jardim de Arca D'Água, na Praça 9 de Abril, inaugurado em 1928, foi projetado por Jerónimo Monteiro da Costa, jardineiro da Câmara Municipal do Porto que ascendeu a diretor dos jardins municipais. Nesse âmbito, iniciou uma obra de referência marcada por um estilo romântico muito ao gosto da época, onde se destaca não só como responsável pela construção e reconversão de praças e jardins mas também como projetista da maioria destes locais. O Jardim de Arca D'Água constitui uma referência desse gosto ainda patente na sua gruta artificial como noutros pormenores de jardins emblemáticos da cidade também da sua autoria, como o Jardim da Rotunda da Boavista, o Jardim do Infante Dom Henrique, a Praça da República, a Praça Carlos Alberto e o Jardim do Carregal.