Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

A vida e obra de Paulo Cunha e Silva
12-11-2015

Desde o momento que se soube da sua partida, que a comunicação social portuguesa foi inundada com comentários e homenagens a Paulo Cunha e Silva, caraterizado, por várias personalidades dos mais diferentes quadrantes da sociedade, como inovador, criativo e contemporâneo, entre muitos outros adjetivos. Uma das mais marcantes figuras da Cultura, responsável pela dinamização, sem precedentes, do Porto partiu, deixando à sua "feli(z) cidade" a obra de uma vida, para agora preservar e dar continuidade.


Ontem, o Jornal 2 da RTP 2 realizou uma edição especial de homenagem a Paulo Cunha e Silva, que contou com a presença de várias figuras da cultura portuguesa, como foi o caso de Gabriela Canavilhas, ex-Ministra da Cultura, Tiago Guedes, diretor Artístico do Teatro Municipal Rivoli, e Odete Patrício, da Fundação Serralves.


Para Gabriela Canavilhas, Paulo Cunha e Silva conseguiu "a reconciliação do Porto com a cultura" e deixa como herança futura o "cimento que é a solidificação das pessoas com a política cultural da cidade".


Tiago Guedes descreve Paulo Cunha e Silva como "apaixonado" pelo seu trabalho, sempre dedicado a 100%, com energia, "um verdadeiro independente" para quem "a solução estava nas ideias e na proatividade", um homem que defendia que era preciso acreditar em nós mesmos.


Visionário, inquieto e irrequieto. É assim que Odete Patrício define Cunha e Silva, "um ser humano ímpar", que fazia da cultura a sua vida e que não aceitava um "não" como resposta.


"A Felicidade não é qualquer coisa que se imponha. Toda a intervenção política deve propor a felicidade. A Felicidade é simultaneamente duas coisas - é intangível, não conseguimos apanhá-la, não conseguimos chegar lá. No entanto aquilo que nos move sempre como atores políticos ou de qualquer território é a busca da felicidade. Uma sociedade mais iluminada, mais clarividente. Uma sociedade que tem a capacidade de discutir de forma intensa os seus problemas". Esta frase foi proferida por Paulo Cunha e Silva, numa entrevista dada a este mesmo jornal, um dia antes da abertura da segunda edição do Fórum do Futuro e relembrada nesta edição de homenagem.


Na imprensa, são inúmeros os artigos sobre Paulo Cunha e Silva. Uma "figura maior da vida cultural portuguesa" com "pensamento contemporâneo e multidisciplinar" é assim que Sebastião Feyo de Azevedo, reitor da Universidade do Porto, carateriza Paulo Cunha e Silva, dizendo mesmo que era "difícil ficar indiferente à sua energia, determinação e erudição". Também Sasha Grey, uma das convidadas para a edição do Fórum do Futuro 2015, que se realizou entre os dias 4 e 8 de novembro, publicou uma homenagem no seu facebook, dizendo que "o Mundo deve dizer adeus a um homem cheio de energia, gentileza e curiosidade".


"O melhor da sua geração". É assim que o escritor Francisco José Viegas destaca o Paulo Cunha e Silva, "aquele que foi capaz de correr riscos sem deixar de ser brilhante" com "uma energia que os aborrecidos de todas as idades e condições classificariam como adolescente". O presidente da Fundação de Serralves, Braga da Cruz, refere-se ao homem que "revolucionou a cultura no município". Também Luís Valente de Oliveira, presidente do Conselho de Fundadores da Casa da Música, destaca Cunha e Silva como um "grande agitador cultural, com enorme capacidade de divulgar atos e manifestações de criatividade, de cultura e de cidadania". Para Pedro Abrunhosa perdeu-se "um dos melhores políticos e um excelente ministro da Cultura".


"Um cometa", "uma máquina de viver, de imaginar, de incitar, de partilhar, de pensar, de alucinar" e uma "rara" capacidade de "contaminação e mobilização da imaginação, das energias, e invenção criativa, envolvendo grupos muito alargados de artistas e pensadores que pudessem ser chamados à dinâmica cultural permanente que era a sua vida e pensamento", "uma espécie de vulcão em erupção constante de ideias interessantíssimas", "um verdadeiro antídoto contra a mediocridade", são outras metáforas para caraterizar Paulo Cunha e Silva.