Sociedade

Programa Aconchego continua a juntar as idades

O
Programa Aconchego, que procura promover o alojamento de estudantes universitários em domicílios de idosos que vivem em situação de solidão e/ou isolamento social, já beneficiou 382 pessoas dispersas por todas as freguesias da cidade, mas com especial incidência em Campanhã. 

 


Desde
o seu lançamento em 2004, o programa criado pela Câmara do Porto tem vindo a consolidar-se ano após ano, tendo atualmente 14 processos ativos, envolvendo 28 pessoas,
um número nunca antes registado.


 


O
programa tem a duração de um ano letivo, com a possibilidade de renovação da
inscrição. Ao longo da sua vigência, 49 seniores renovaram, pelo menos
uma vez, a sua adesão através da integração de novos estudantes no seu
domicílio.


 


Os
registos apontam para um crescimento ao longo dos anos, quer no número de jovens interessados em
integrar o programa, quer no número de pedidos de informação.
No ano letivo 2016/2017, a equipa técnica do programa respondeu a 66 novos pedidos
de familiares e dois vindos de instituições.



 


 



Partindo de duas dificuldades aparentemente díspares, o
Programa Aconchego foi criado para dar resposta, por um lado, ao elevado número de jovens que
ingressam no Ensino Superior e necessitam de alojamento e, por outro, à grande percentagem de munícipes com mais de 60 anos que vivem em situação de solidão e/ou isolamento social.

Em suma, trata-se de uma solução que proporciona benefícios mútuos, já que se os idosos retribuem a companhia com o alojamento, os jovens universitários compensam o alojamento com companhia e apoio.

Para além destes "ganhos individuais", o programa apresenta também benefícios coletivos, uma vez que este convívio intergeracional fomenta a criação de redes informais de apoio mútuo, através do envolvimento do tecido institucional local, vizinhos e familiares.

 


Pelo impacto que que tem na vida das pessoas e da comunidade, o projeto foi premiado em 2010 no âmbito do concurso This is European Social
Innovation, promovido pela Comissão Europeia, e distinguido com o selo de
Iniciativa de Elevado Potencial de Empreendedorismo Social pelo Instituto de
Empreendedorismo Social.


 


A
Federação Académica do Porto (FAP) é parceira do projeto desde o seu início, tendo como principal responsabilidade a divulgação do programa junto dos estudantes universitários não residentes no concelho do Porto.