Política

Porto com 1,4% de infetados em lares e a maioria são funcionários

Começou no dia 29 de março e terminou sexta-feira o rastreio total aos lares de idosos e ontem às unidades residenciais de outro tipo de utentes. O programa distingue-se por ser o único que testa toda a gente, utentes e funcionários, tenham ou não sintomas. Foram rastreadas perto de 5.000 pessoas e apenas 1,4% dos testados acusou resultado positivo para a COVID-19, a maioria funcionários destas instituições.

O programa foi desenhado pela Câmara do Porto, teve a aprovação e empenho clínico do Hospital de São João, a aprovação do Centro Hospitalar Universitário do Porto e o apoio dos dois Agrupamentos de Saúde do Porto. Foi possível graças à disponibilização de 5 mil kits de teste Covid-19 PCR disponibilizados pela Fundação Fosun e pela Gestifute à Câmara do Porto.

- 4984 pessoas foram rastreadas

- 4921 pessoas já têm resultado laboratorial

- 4847 testaram negativas

- 73 positivos

- 1 em investigação

IDOSOS

- 73 lares de idosos

- 3852 utentes e funcionários rastreados e já todos com resultado laboratorial 

- 3775 testaram negativos

- 67 estavam infetados (29 idosos e 38 funcionários)

- 1 ainda em investigação (precisa repetir a amostra)

OUTRAS UNIDADES

- 25 unidades residenciais de pessoas com deficiência, sem abrigo e acolhimento de jovens e infetadas com HIV

- 1132 pessoas foram rastreadas

- 1078 pessoas já têm resultado laboratorial

- 1072 testaram negativos

- 6 testaram positivos (3 utentes e 3 funcionários)

TOTAL DO PROGRAMA

- 4984 pessoas rastreadas

- 4921 pessoas com resultado laboratorial

- 4847 negativas

- 73 positivos

- 1 em investigação

Apenas 1,4% dos resultados são positivos

Este programa permitiu a separação de negativos e positivos, através de internamento de doentes positivos em várias unidades de saúde, como Hospital de São João, Hospital de Santo António e Hospital de Campanha. E permitiu também a deslocalização de 26 utentes negativos para a Pousada da Juventude, onde a Câmara do Porto concentrou os utentes com teste negativo, mas cujos lares tinham registado casos positivos entre utentes e funcionários e tinham deixado de garantir condições aos seus utentes.

Destes 26 alguns já saíram, mas encontram-se ainda duas dezenas de utentes na Pousada da Juventude, onde a Câmara do Porto tem acompanhamento de retaguarda, serviços de enfermagem, refeições e tudo o que necessitam. Regressarão quando estiverem garantidas as condições de segurança nos seus lares, o mesmo acontecendo com os que estão hospitalizados.

Centro de rastreio móvel já testou 12.500 pessoas

Até hoje, foram testadas 12.500 pessoas no Queimódromo, o primeiro centro de rastreio móvel do país, montado com apoio da Câmara do Porto.
A unidade está aberta desde 16 de março e funcionou todos os dias, incluindo domingos e feriados. 

No seu conjunto, só estes dois programas municipais de testagem permitiram rastrear 7,9% dos portuenses, percentagem que soma aos testados em ambiente hospitalar e em unidades de saúde particulares e centros de saúde da cidade.