Sociedade

Piscina da Constituição já está de portas abertas após obras de requalificação

Após uma intervenção profunda, num investimento que ultrapassou os 380 mil euros, a Piscina Municipal da Constituição já abriu portas ao público, contabilizando mais de 285 inscrições só no primeiro dia. A reabertura contou com a presença da vereadora da Juventude e Desporto da Câmara do Porto, Catarina Araújo, e do administrador da empresa municipal Ágora - Cultura e Desporto, César Navio.

Depois da Piscina de Cartes, foi agora a vez do equipamento municipal da Constituição ser submetido a uma vasta requalificação e beneficiação. Além das obras que procuraram melhorar a qualidade do ar e a eficiência energética do edifício, as intervenções foram ainda mais longe e estenderam-se também aos balneários, ginásios, piscina de aprendizagem, cais da piscina, cobertura e zonas técnicas, procedendo à renovação e modernização dos vários equipamentos mecânicos e redes hidráulicas.

Dado que se trata da piscina com o maior número de utentes em toda a rede municipal, só neste primeiro dia foram submetidas mais de 285 inscrições.

Catarina Araújo, vereadora da Juventude e Desporto, presenciou a reabertura do equipamento, na manhã desta terça-feira, com uma visita guiada pelas várias zonas intervencionadas, incluindo os espaços menos visíveis ao público, mas essenciais para o bom funcionamento da piscina e restantes atividades complementares.

"Sabemos que nem todas as obras de requalificação vão ser percetíveis, porque foram realizadas ao nível das coberturas, pavimentos, paredes e em muitas das zonas técnicas, onde o público não tem acesso. Contudo, estas intervenções eram há muito necessárias e foram feitas para benefício de todos os utentes, que vão poder agora usufruir de um equipamento que foi quase todo reformulado e que proporcionará ainda melhores condições de conforto, higiene e segurança, quer ao nível das piscinas como dos ginásios".

César Navio, administrador da empresa municipal Ágora, foi responsável por conduzir a visita pelo edifício, dando a conhecer as várias empreitadas que decorreram ao longo dos últimos meses em vários pontos do espaço, que beneficiou de um avultado investimento, no sentido de melhorar a qualidade do ar interior e aumentar a sua eficiência energética.

Tendo em conta o atual contexto pandémico, o equipamento foi ainda munido de uma nova sinalética, distribuída por todos os circuitos, salas, balneários (incluindo cacifos e chuveiros), ginásios, zonas de espera e receção, que resume o conjunto de novas regras de utilização do equipamento, num cumprimento rigoroso de todas as recomendações emanadas pela Direção Geral da Saúde.

Também o número de aulas e de vagas por horário é agora mais limitado, sendo que a utilização livre da piscina e ginásios requer marcação prévia. O uso de máscara é obrigatório dentro da instalação, exceto durante a prática desportiva, em que se mantêm as normas de distanciamento físico em vigor.

Visita estendeu-se à Piscina de Cartes

A par da Constituição, a nova época desportiva na Rede Municipal de Piscinas começou também na Piscina de Cartes, neste caso, até mais cedo, já que o equipamento está aberto ao público desde o dia 21 de setembro, depois de ter beneficiado também de um conjunto de obras de reabilitação.

Tendo em conta a interrupção forçada dos vários equipamentos desportivos devido à pandemia, e à semelhança da Constituição, o Município aproveitou para antecipar um conjunto alargado de intervenções na Piscina de Cartes, melhorando a eficiência energética, térmica e ambiental do edifício e indo ao encontro do objetivo de elevar as condições de conforto para os utilizadores.

Paralelamente, foram lançadas várias empreitadas que visaram uma intervenção mais estrutural em todo o edificado, incluindo a reformulação das zonas técnicas, pintura da nave, fachada e zona envolvente, reformulação do piso existente e impermeabilização das coberturas da piscina.

De resto, a Piscina de Cartes é a primeira da rede municipal a estrear um inovador Sistema de Gestão Técnica Centralizado (GTC), que permite o controlo remoto (via web) de todos os sistemas de iluminação, climatização e ventilação do equipamento. O objetivo é permitir o acompanhamento e controlo dos consumos de energia e água, bem como alertar para eventuais desvios.

O investimento global neste equipamento ultrapassou os 250 mil euros.