Cultura

Objeto e seus Discursos vai ao coreto do primeiro jardim público da cidade

O coreto do Jardim de São Lázaro, situado frente à Biblioteca Pública Municipal do Porto, recebe neste sábado, às 18 horas, um historiador de arte e uma arquiteta paisagista para a sessão de Um Objeto e seus Discursos por Semana.

Palco de música, mas também de brincadeiras de crianças ou de entretenimento de seniores, tal como vários outros na cidade, o coreto de São Lázaro está, porém, rodeado de pormenores históricos que o singularizam.

Em "Carta de amor", homenagem a Eugénio de Andrade, o poeta Jorge Sousa Braga escrevia: "Um dia destes/ vou-te matar/ Uma manhã qualquer em que estejas (como de costume)/ a medir o tesão das flores/ ali no Jardim de S. Lázaro (?)". Foi também junto a este jardim que Camilo Castelo Branco recebeu das mãos do imperador do Brasil, D. Pedro II, a comenda da Ordem da Rosa.

Primeiro jardim público da cidade, de conceção romântica, o de São Lázaro foi inaugurado em 1834. Ponto de encontro para muitos, delimitado por um gradeamento com quatro portões, destaca-se pelas suas imponentes tílias, os grupos escultóricos e o pequeno coreto, objeto desta sessão e para o qual foram convidados especialistas em História de Arte e em Arquitetura Paisagista, que terão como anfitrião o presidente da Junta de Freguesia do Bonfim, José Manuel Carvalho.

O primeiro, José Guilherme Abreu, é doutorado em História da Arte pela Faculdade Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, investigador do Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes (CITAR) da Universidade Católica Portuguesa e tem lecionado disciplinas e estudos artísticos e patrimoniais em várias escolas públicas e particulares do ensino superior e secundário. É ainda autor de livros, catálogos e artigos científicos, conferencista convidado em congressos e colóquios nacionais e internacionais, tendo integrado equipas responsáveis pela curadoria de programas de arte pública, bem como exposições de arte contemporânea em espaços públicos e religiosos do país.

Terá como interlocutora Teresa Marques, licenciada e doutorada em Arquitetura Paisagista pelo Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa. Professora auxiliar nos cursos de Arquitetura Paisagista da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e investigadora no Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO/INBIO), lecionou na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. A sua investigação desenvolve-se, fundamentalmente, no âmbito da história e crítica das paisagens de amenidade, particularmente das que foram desenhadas no século XIX e primeiras décadas do século XX, assim como no âmbito da conservação e recuperação de jardins e paisagens de valor histórico, sendo coautora de "Jardins du Maroc, d'Espagne et du Portugal - Un art de vivre partagé" e de "Jardins Históricos do Porto". 

O ciclo "Um Objeto e seus Discursos por Semana" recupera, assim, mais um dos elementos do património que, ao longo do tempo, vêm construindo a identidade da cidade e dos portuenses, promovendo a sua (re)descoberta.

As iniciativas deste programa são de acesso gratuito mediante levantamento de bilhete.

A programação completa está disponível no site www.umobjetoeseusdiscursos.com.