Cultura

Música barroca ecoa nesta semana do órgão de tubos da Igreja de São Lourenço

DR

É com a evocação do barroco que começa, nesta semana, o 2.º ciclo de recitais no órgão da Igreja de São Lourenço, raro instrumento do século XVII que protagonizará seis momentos musicais ao longo do ano.

O primeiro acontece na próxima quinta-feira, pelas 19 horas, e é dedicado à Unidade dos Cristãos que várias igrejas cristãs estão a celebrar durante esta semana. Serão apresentadas obras vocais e instrumentais de grandes compositores com particular foco na música barroca, designadamente Johann Hermann Schein (1586-1630), Dieterich Buxtehude (1637-1707), Georg Philipp Telemann (1681-1767) e J. S. Bach (1685-1750).

A interpretação é do Ludovice Ensemble, formação especializada em música barroca, com André Lacerda (tenor), Reyes Gallardo (violino barroco) e Fernando Miguel Jalôto (órgão), que é também o diretor artístico do ciclo organizado pelo Seminário Maior do Porto / Museu de Arte Sacra e Arqueologia, sob direção do Padre José Alfredo. 

Mais conhecida como "Igreja dos Grilos", a Igreja de São Lourenço, situada abaixo da Sé do Porto, tem como um dos ex-libris este órgão construído no final do século XVII por um organeiro que não foi ainda identificado. Possui 28 meios registos, sendo seis de palhetas, concentrados num teclado dividido, e com pisantes para a programação de cheios e trombetas.

O instrumento foi objeto de intervenções em 1860 e na primeira metade do século XX. Foi restaurado em 1998, tentando-se então restituir-lhe a identidade original.
A particular beleza da afinação dos seus quase 1500 tubos permite uma ampla e colorida variedade de combinações sonoras que o tornam ímpar entre o património artístico organístico da cidade do Porto e a nível nacional.
Se chegar um pouco mais cedo a este recital, pode aproveitar para fazer a visita guiada ao Museu de Arte Sacra e Arqueologia e à Igreja de São Lourenço, vulgarmente chamada "Igreja dos Grilos" e ela própria um dos principais monumentos da cidade (veja condições aqui). Tenha apenas em conta que o acesso a pessoas com mobilidade reduzida pode ser complicado, dada a sua localização.