Ambiente

Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto integra lista global em defesa do ambiente

Miguel Nogueira

O Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto (MHNC-UP) é a primeira instituição portuguesa a associar-se à aliança global "United for #Biodiversity". A iniciativa, promovida pela Comissão Europeia, pretende proteger espécies em risco de extinção.

Lançada no World Wildlife Day 2020 pelo Comissário Europeu para o Ambiente, Virginijus Sinkevicius, esta iniciativa procura mobilizar museus de história natural e ciência, centros de ciência, jardins botânicos e zoológicos, parques, aquários, centros de investigação, entre outros, para que se façam ouvir no que diz respeito ao combate à crise ambiental.

A propósito da sessão de abertura da EU Green Week 2020 decorrida nesta segunda-feira, dia 19 de outubro, em Lisboa, Capital Verde Europeia 2020, o MHNC-UP juntou-se a este movimento no sentido de alertar os líderes mundiais para a necessidade de agir de forma imediata na proteção da natureza, tanto a nível local como global.

De acordo com um comunicado da instituição da U.Porto, "neste momento, existem dados científicos que nos indicam que cerca de um milhão de espécies está em risco de extinção devido à atividade humana, o que põe em causa o nosso futuro. Isto realça a importância de nos unirmos com vista a dar resposta a este urgente desafio enquanto nos preparamos para a Conferência UN Biodiversity (COP15), que terá lugar em 2021", apelando assim para a importância da participação de outras organizações europeias.

O museu da cidade Invicta representa o quarto organismo de história natural e ciência a associar-se oficialmente a esta aliança global, juntando-se assim a dez outras instituições - nomeadamente o Instituto Oceanográfico do Mónaco, o Zoo de Central Park, o Royal Belgian Institute of Natural Sciences, o Biotopia de Munique e o Koenig Museum, em Bona - e a 16 organizações internacionais, que já subscreveram o compromisso da "United for #Biodiversity".

Até ao final de 2020, é esperado que mais de 500 instituições se associem ainda a esta iniciativa.