Mobilidade

Município vai atribuir apoio de 40 mil euros para a instalação de separadores acrílicos nos táxis da cidade

Filipa Brito

O Executivo de Rui Moreira leva à próxima reunião de Câmara, agendada para segunda-feira, dia 21, uma proposta de apoio às associações representativas do setor do táxi (ANTRAL e Federação Portuguesa do Táxi), no valor global de 40 mil euros, destinado a suportar os custos de instalação de separadores acrílicos no interior das viaturas, garantindo assim um maior grau de segurança para motoristas e passageiros.

O apoio será distribuído, equitativamente, entre as duas associações, cumprindo o propósito do Município do Porto de "contribuir para a manutenção dos níveis de confiança na utilização dos transportes públicos na cidade do Porto", no seio de um setor que, sustenta a proposta assinada pela vereadora dos Transportes, Cristina Pimentel, cumpre "a função essencial de complemento ao transporte público pesado de passageiros".

Recorde-se que, desde o início de abril, as condições de circulação dos táxis foram limitadas a uma ocupação máxima de dois terços da lotação dos veículos, devendo os bancos dianteiros ser utilizados apenas pelo motorista, o que reduz, inevitavelmente, a capacidade de lugares disponíveis.

A estas medidas acresce um conjunto de normas emitidas pela Direção-Geral da Saúde, nomeadamente no que respeita à limpeza e desinfeção diária dos veículos, à limpeza de puxadores, portas e restantes superfícies internas de contacto direto com o passageiro após cada utilização, assim como a disponibilização aos passageiros de uma solução antisséptica de base alcoólica ou solução à base de álcool.

Como defende a proposta da maioria municipal, este apoio ao setor, canalizado para a aquisição de equipamentos de proteção individual a instalar no interior das viaturas, contribuirá para o cumprimento da sua relevante função em maior segurança.

A cidade do Porto dispõe de um contingente de 699 táxis que se encontra disponível, enquanto transporte público de passageiros, 24 horas por dia, todos os dias do ano. De acordo com as regras do setor, e do Município, os táxis estão obrigados a manter-se disponíveis, não podendo recusar os serviços que lhe são solicitados salvo em raras exceções previstas na lei de acesso à atividade.