Cultura

Mário Cláudio recebe o grande prémio de romance e novela da Associação Portuguesa de Escritores

O escritor portuense Mário Cláudio foi distinguido pela terceira vez com o Grande Prémio Romance e Novela, atribuído pela Associação Portuguesa de Escritores. Em 2019, a Feira do Livro do Porto assinalou os 50 anos do seu percurso literário.

Depois de ter conquistado o galardão em 1984, com a obra "Amadeo", e em 2014, com "Retrato de Rapaz", a Associação Portuguesa de Escritores anunciou na quinta-feira que Mário Cláudio foi o premiado na edição de 2019, pelo livro "Tríptico da Salvação". 

O prémio foi atribuído por maioria, segundo a Associação Portuguesa de Escritores, com o júri a destacar "o invulgar domínio da língua portuguesa e o modo como [o autor] prende a atenção do leitor, criando linhas de expetativa na composição do xadrez narrativo".

Mário Cláudio é o pseudónimo literário de Rui Manuel Pinto Barbot Costa, nascido em 1941 no Porto. Agraciado com as comendas da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada (2000), de Chevalier des Arts et des Lettres, atribuída pelo ministério francês da Cultura (2006), e da Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique (2019), o escritor portuense recebeu também, em Dezembro de 2019, o grau de Doutor Honoris Causa da Universidade do Porto.

Antes, tinha sido homenageado na edição de 2019 da Feira do Livro do Porto pelos seus 50 anos da vida literária.

Em 2016, numa cerimónia conduzida pelo presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, já tinha sido atribuída uma tília de homenagem a Mário Cláudio, na Avenida das Tílias, nos Jardins do Palácio de Cristal, onde se realiza a Feira do Livro do Porto. "Mário Cláudio não precisa de uma homenagem para que o seu nome esteja inscrito no universo dos principais nomes da literatura e da sua cidade que é o Porto", afirmou na ocasião Rui Moreira.

"A maior homenagem que se pode dar a um autor é ler aquilo que escreve", relembrou Mário Cláudio durante a cerimónia.