Cultura

Maria Filomena Molder abre ciclo de conferências com Estrangeiros e Estranhos

"Estrangeiros e Estranhos" é o título da conferência que a filósofa Maria Filomena Molder, ex-professora de Estética na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, dá nesta terça-feira, pelas 18 horas, no Rivoli. 

De entrada gratuita, a sessão abre o novo ciclo anual de conferências dedicado ao tema Do Estranho, que visa estimular o debate sobre questões da atualidade, numa iniciativa conjunta da Universidade Lusófona do Porto (ULP) e o Teatro Municipal do Porto (TMP).

A preceder a conferência, Tiago Guedes, diretor do TMP, José Bragança de Miranda e Isabel Babo, respetivamente professor convidado e reitora da ULP, fazem a abertura formal da sessão, que encerra com a projeção do filme "Todas as cartas de Rimbaud" (2017), de Edmundo Cordeiro. A obra vai ao encontro do universo de Maria Filomena Molder, a leitora de Goethe, Kant ou Rimbaud.

Veja o trailer do filme:

Como escreve Isabel Babo, o ciclo de conferências que agora se inaugura "tem como propósito o debate com especialistas, académicos e artistas portugueses e internacionais sobre temas de atualidade" e a intervenção "nas práticas comunicacionais de discussão de ideias na cidade, de forma aberta e plural".
Nesta edição inaugural, "Do Estranho" será "interrogado através de várias perspetivas, indo da estética à política, do pensamento crítico à economia", completa ainda a reitora da ULP.  

PROGRAMA

Primeira conferência - 30 de janeiro | 18 horas

- Abertura: Tiago Guedes (TMP), José Bragança de Miranda e Isabel Babo (ULP)

- Conferência "Estrangeiros e Estranhos", por Maria Filomena Molder (FCSH/UNL)  

- Exibição de "Todas as Cartas de Rimbaud" (2017), de Edmundo Cordeiro 


//

Segunda conferência - 6 de fevereiro | 18 horas


- "Como pensar a negatividade", por José Gomes Pinto (Universidade Lusófona de Lisboa) 


//

Terceira conferência - 6 de março | 18 horas

- "O arco-íris da hospitalidade - Hospitalidade's - Cenas da relação ao outro", por Fernanda Bernardo (Universidade de Coimbra)