Turismo

Histórias da cidade: "um dos mais impressionantes" exemplares do neogótico no país está no Porto

No roteiro da arquitetura religiosa no Porto, este é um exemplar relativamente desconhecido, mas tem particularidades que fazem dele um monumento ímpar na cidade.

A Capela do Divino Coração de Jesus, também denominada Capela dos Pestanas, encontra-se ao cimo da Rua do Almada, junto à Praça da República. Até pode passar um pouco despercebida, mas distingue-se no panorama da cidade, e do próprio país, pelas suas caraterísticas.

"O ambiente neogótico inspirado nas catedrais góticas testemunha-se tanto no exterior como no interior", pode ler-se na nota histórico-artística da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) para a Capela dos Pestanas. Acrescenta-se no mesmo texto: "O interior da capela foi concebido para albergar um dos mais impressionantes programas decorativos do nosso neogótico. As paredes e os tetos foram revestidos por pinturas inspiradas na Sainte-Chapelle de Paris".

A construção da Capela dos Pestanas decorreu entre 1878 e 1890. E, mesmo antes de terminada, a obra já recebia prémios internacionais. "Os autores do retábulo-mor, logo em 1885, foram agraciados com a medalha de ouro na Exposição Internacional de Antuérpia", indica a DGPC na referida nota.

As origens da capela estão relacionadas com as da família que habitava no palácio ali localizado, onde durante vários anos funcionou o Governo Civil do Porto. "A capela neogótica dos Pestanas, assim designada por se situar junto ao Palácio desta família e por ter sido encomendada pelo engenheiro José Joaquim Pestana, à altura o proprietário do Palácio, foi construída entre 1878 e 1890, ano em que abriu as portas ao culto", escreve a DGPC. No Arquivo Municipal do Porto encontra-se uma fotografia onde pode ver-se o enquadramento do Palácio e da Capela dos Pestanas.

"O seu arquiteto foi José de Macedo Araújo Júnior, um dos mais importantes engenheiros do Porto do último quartel do século XIX, tendo-se destacado na condução de obras tão importantes como o Palácio da Bolsa ou parte da Alfândega da cidade", pode ainda ler-se.

Para além das suas caraterísticas neogóticas ímpares na cidade e no país, a Capela dos Pestanas destaca-se também por outros detalhes. "A esmagadora maioria do mobiliário e algumas obras de devoção foram realizados na cidade de Liège, na casa Wilmotte", aponta a DGPC, salientando ainda as duas esculturas do mestre Soares dos Reis que ladeiam a fachada do edifício: de um lado a imagem de São José, e do outro a de São Joaquim.

Em 1996, a Capela do Divino Coração de Jesus, também denominada Capela dos Pestanas, seria classificada como Imóvel de Interesse Público. No entanto, a configuração atual do conjunto já não corresponde à original, na sequência da construção de um prédio no antigo jardim, que ditou a redução drástica dos limites da antiga propriedade.

"A Capela do Divino Coração de Jesus, porém, mantém-se como testemunho de uma das mais originais empresas neogóticas do Porto e, seguramente, do país", conclui a DGPC. Um tesouro bem guardado da cidade Invicta.