Cultura

"Endgame" em estreia mundial no Mosteiro de São Bento da Vitória

É numa gigantesca estrutura cilíndrica habitada pelo público
- que assiste ao espetáculo de cima para baixo - que a cubana Tania Bruguera revisita
a peça "Endgame", de Samuel Beckett. Realizada a convite da bienal BoCA, esta
coprodução do Teatro Nacional de São João (TNSJ) é apresentada em estreia
mundial, nos próximos dias 20 e 21, no claustro do Mosteiro de São Bento da
Vitória.


"Conhecida internacionalmente pelas suas provocatórias instalações
e performances", Bruguera arrisca, nesta apresentação, "uma incursão em território
teatral para afrontar a herança de um dos clássicos indisputados da dramaturgia
contemporânea" - observa o TNSJ.


Desconcerto, devastação e relações de poder, com seus ciclos
viciosos, são explorados numa encenação que elimina convenções para atribuir nova
expressão a um texto com que Beckett "abriu uma janela com vista para um eterno
crepúsculo de cinzas". Ocupando uma estrutura espiralada, o espetador assiste
ao desenrolar de um drama que reúne atores profissionais e não-profissionais, "numa
circularidade que desconcerta".


 "Endgame" reflete,
nesta releitura, a abordagem de uma "artivista", o neologismo com que Tania Bruguera se
define. No léxico da cubana, "artivismo" é o encontro da arte com o ativismo
político, e a partir daqui também "uma ferramenta vocacionada para a reinvenção
da linguagem de protesto".