Cultura

Dança e fotografia recriam viagem a Trás-os-Montes a partir do Palácio do Bolhão

Uma viagem a
Trás-os-Montes através da obra do fotógrafo francês Georges
Dussaud - é esta a proposta
que Joana Providência faz ao público no seu novo trabalho coreográfico.
Juntando bailarinos e atores, "Vestígio" vai estar em cena no Palácio do Bolhão
de 16 a 25 de novembro.


Pela objetiva
de Georges Dussaud encontra-se uma ruralidade em vias de extinção. Este espetáculo, que
teve estreia absoluta em Bragança, é apresentado como "um
percurso que vive do seu olhar, das suas memórias, da forma como regista
pessoas, paisagens, sensações e lhes dá corpo através da sua forma de fixar o
instante, guardando-o suspenso no tempo".


Atores e bailarinos mergulham no universo do fotógrafo francês
e transportam o público "para o pulsar da vida, para os rituais e para as
paisagens que habitam a sua obra". Neste registo, pode ler-se na apresentação do
projeto, "Vestígio" é um "constante diálogo entre a imagem projetada e a sua
relação com os intérpretes numa espécie de contracena". Fortemente ligados, fotografia
e corpos desdobram-se "num sem fim de leituras".


O espetáculo, com música de Pedro "Peixe" Cardoso, é
acompanhado por uma exposição de fotografias de Georges Dussaud.


Coproduzido pelo Teatro do Bolhão, Teatro Municipal de
Bragança e Teatro Municipal de Vila Real, este trabalho integra o projeto "Algures
a Nordeste" para a promoção do território cultural do Nordeste português.


 


+info:


Sessões na quarta às 19 horas, de quinta a sábado às 21,30
horas e no domingo às 16 horas.

Saiba mais sobre "Vestígio" na página do Teatro do Bolhão.