Cultura

Cofre da Companhia do Gás é o Objeto que dá Discurso nesta semana

Algumas das histórias da cidade que o Palacete dos Viscondes de Balsemão guarda vão ser desvendadas na sessão deste sábado de Um Objeto e seus Discursos por Semana, que ali se realiza a partir das 18 horas.

Pode um cofre ser objeto de conversa? Pode, sobretudo se estiver ligado à história da cidade do Porto, como é o caso do pertencente à antiga Companhia do Gás.

Para encontrarmos o fio da memória, torna-se necessário recuar ao ano de 1906, quando a Companhia dos Gás do Porto foi instalada no Palacete dos Viscondes de Balsemão, na Praça de Carlos Alberto, na época propriedade dos Barões do Valado, que o tinham herdado do Visconde da Trindade.

Ora, o gás e também a eletricidade são de importância estratégica para a cidade, seja para uso público (iluminação e transportes), seja para uso comercial e industrial, além de doméstico. Estes dois tipos de energia estão no centro de todo o progresso e desenvolvimento que o Porto viveu nos séculos XIX e XX, como irão dar conta os convidados para esta sessão, peritos na história da energia.

Em 1917, a Câmara do Porto chama a si o setor da energia, criando-se em seguida os Serviços Municipalizados de Gás e Eletricidade. É essa data que se assinalará na sessão deste sábado, simbolicamente, através da abertura do cofre, ele próprio contentor de segredos e relíquias de um século.

A conversa terá como participantes Ana Cardoso de Matos, autora, investigadora e Professora de História na Universidade de Évora, e Luís Cabral, bibliotecário-arquivista na Câmara do Porto e antigo diretor da Biblioteca Pública Municipal do Porto, sendo anfitriã a arqueóloga municipal Isabel Osório.

A programação completa do ciclo "Um Objeto e seus Discursos por Semana", cujas iniciativas são de acesso gratuito mediante levantamento de bilhete, está disponível no site www.umobjetoeseusdiscursos.com.