Sociedade

Câmara atribuiu 12 lugares para comercialização da chamada "street-food"

A partir de hoje,
1 de agosto, e até ao final do mês de outubro, será possível encontrar em
vários locais da cidade o conceito "ready-to-eat" em locais públicos, realizado
em dispositivos móveis ou amovíveis.


Em junho, a
Câmara do Porto lançou um projeto experimental com duração de três meses, para
regulamentar a chamada "street food", estipulando os locais, modos de
venda e critérios de seleção para este tipo de negócio que está em crescimento
na cidade. Os locais foram atribuídos por sorteio na passada semana às empresas
que se apresentaram a concurso e que haviam sido previamente selecionadas.


Foram atribuídos
oito lugares fixos e quatro lugares itinerantes, com base em critérios como a criatividade
dos dispositivos móveis, a originalidade das embalagens e a qualidade e
inovação do produto servido a preços acessíveis.


Será
possível encontrar na Avenida D. Carlos I as seguintes ofertas: Hakim Fatri
(waffles belgas), Lits (Famous Dog), Ceviche Bowls (ceviche e poke) e Emanuel
Marques (batata recheada).


Na Avenida
Basílio Teles estará a Prisma Nómada (sandes), Arlindo Varela (comida sul
americana) e Porto Réccua (cocktails de vinho do Porto).


No Parque da Cidade, a oferta estará a cargo de Marco André Duarte (produtos diversos de
base natural).


Relativamente
aos locais itinerantes (Praça da Batalha; Rua Saraiva de Carvalho; Av. de D.
Afonso Henriques; Campo Mártires da Pátria; Rua de Clemente Menéres; Rua
Professor Ernesto Morais - feira da Vandoma; Calçada das Virtudes; Av.
Francisco Xavier Esteves - Parque Oriental), estarão disponíveis as seguintes
opções: Nomad Coffee (speciality coffee), Isadora Fevereiro (crepes e açaí),
Waterbiz (bolo Rabelo) e Framboelix (sushi).


O
projeto-piloto vai vigorar até 31 de outubro deste ano e é destinado à
atividade de restauração ou de bebidas considerada não sedentária, a chamada
"street food", realizada em equipamentos móveis ou amovíveis com
dimensão até 12 m2.