Sociedade

Cadeia da Relação vai ser Monumento Nacional

O edifício da antiga Cadeia
e Tribunal da Relação do Porto, que desde 2001 acolhe o Centro Português de
Fotografia, vai ser reclassificado como Monumento Nacional. A decisão terá sido
tomada esta quinta-feira, em reunião do Conselho de Ministros.


Situado no Largo do Amor de Perdição, na rua de
São Bento da Vitória e na travessa de S. Bento da Vitória, em pleno Centro
Histórico do Porto, o edifício estava classificado
como imóvel de interesse
público desde junho de 1933, mantendo-se como exemplar único no país da
arquitetura judicial/prisional dos finais do Antigo Regime.

O imponente edifício foi mandado construir em 1765 por João de Almada e
Melo. A obra seria concluída quase 30 anos depois, em 1796. Considerado um dos
edifícios de referência na história da cidade, albergou a sede do Tribunal e a
Cadeia da Relação do Porto. Após dois séculos de plena atividade, o edifício foi
desativado por razões de segurança em abril de 1974, alguns dias depois da Revolução.

Um dos seus presos mais ilustres foi o escritor Camilo de Castelo Branco
(1860). Pelas celas da antiga cadeia passou também o conhecido Zé do Telhado.


Após sofrer obras de reabilitação, reabriu em
outubro de 2001 para acolher o Centro Português de Fotografia
, num projeto da autoria
dos arquitetos Eduardo Souto Moura e Humberto Vieira.