Inovação

Atribuído no Porto o prémio nacional de eco-inovação no setor agroalimentar

A Casa do Vinho Verde, no Porto, foi o palco da entrega dos prémios relativos à quarta edição do Ecotrophelia Portugal, que distingue o desenvolvimento de produtos alimentares eco-inovadores por equipas de estudantes do ensino superior.

Composto por personalidades do setor agroalimentar, o júri atribuiu o primeiro prémio ao OrangeBee, um preparado fermentado de aquafaba (o líquido da cozedura do grão-de-bico ou de outras leguminosas, que pode ser utilizado como alternativa à clara de ovo) com uma camada de geleia de laranja, polvilhado com pólen apícola. Este produto é desenvolvido por duas alunas da Universidade de Aveiro.

"É um excelente exemplo de eco-inovação, ao reutilizar resíduos habitualmente desprezados na elaboração de um produto (sobremesa) apelativo e saboroso, muito bem conceptualizado na sua génese e em termos de marketing, aproveitando a complementaridade da formação das suas autoras, a frequentarem mestrados em biotecnologia alimentar e design", notou o presidente do júri, Vergílio Folhadela, com uma longa ligação ao Grupo RAR.

Para além de um prémio monetário no valor de 2.000 euros, a equipa OrangeBee foi contemplada com um conjunto de serviços de consultoria nas áreas da Comunicação, Design, Internacionalização e Propriedade Intelectual, relativos ao produto.

Organizado pela PortugalFoods, e com o apoio da Câmara do Porto e o alto patrocínio do Presidente da República, o galardão distinguiu no segundo lugar a Rice 'n' Nice, representante da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, pelo desenvolvimento de um pastel de bacalhau ultracongelado, sem batata, com couve-flor e subprodutos da indústria arrozeira.

A terceira posição coube aos estudantes do Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, que criou o Tomatable, uma conserva de tomate verde rejeitado pela indústria e outros vegetais fermentados, que venceu também a distinção "Born from Knowledge", atribuída pela Agência Nacional de Inovação.

"Mais do que os prémios arrecadados pelos três grandes vencedores, consideramos que esta edição foi, mais uma vez, uma oportunidade ímpar para todos os estudantes, em competição, aplicarem as suas competências e talento num projeto inovador orientado para o mercado atual. Aqui, puderam partilhar a sua visão com os profissionais do setor, desenvolver o seu caráter empreendedor e ter o seu primeiro contacto com a vertente profissional, algo único na vida de qualquer jovem", sublinhou a diretora executiva da PortugalFoods, principal interlocutora e dinamizadora da fileira agroalimentar portuguesa, Deolinda Silva.

A edição 2020 do prémio Ecotrophelia Portugal, que promove a eco-inovação, o empreendedorismo e a competitividade no setor agroalimentar, envolveu 63 estudantes de 14 instituições nacionais do ensino superior. Estiveram a concurso 16 equipas, das quais chegaram à final dez produtos inovadores.