Sociedade

Associação Comercial do Porto congratula-se com decisões e traçado das novas linhas de Metro

A Associação Comercial do Porto (ACP) congratulou-se hoje em comunicado com a decisão ontem anunciada quanto à expansão da rede do Metro do Porto, com a construção da Linha Rosa entre a Casa da Música e São Bento e o prolongamento a Vila d'Este.

Segundo a ACP, pela
primeira vez, a maior fatia de investimentos - mais de 280 milhões de euros dos
500 disponíveis para redes de metropolitano em Portugal - é destinada à Área
Metropolitana do Porto, "correspondendo aliás a uma reivindicação desde há anos
apresentada pela Associação Comercial".


 


"Esta
decisão decorre do forte consenso e do espírito metropolitano evidenciado
pelos autarcas da região - e, muito em particular, do Presidente da Câmara
Municipal do Porto, Rui Moreira, que teve um papel preponderante na
identificação dos problemas, das necessidades e das soluções. Refira-se que a
cidade do Porto garante, já em 2019, o avanço da construção da primeira fase da
Linha Ocidental, há largo tempo identificada como prioritária, uma vez que o desenho
da Linha Rosa garante a viabilidade do seu prolongamento futuro para as zonas
de Lordelo, Foz e Nevogilde.", lê-se no documento enviado hoje à comunicação social.


  


A associação lembra ainda que "sempre defendeu o desenvolvimento eficaz de infraestruturas e equipamentos
de transportes públicos, como áreas prioritárias para a região e para o país. O
Metro do Porto - internacionalmente reconhecido como elemento indiscutível de
qualificação."


A decisão de construir no Porto uma nova linha totalmente enterrada, que terá mais de 20 mil passageiros diariamente, ligando a Casa da Música a São Bento foi ontem anunciada pelo Ministro do Ambiente. O traçado custará 181 milhões de euros e deverá estar pronto em 2021.