Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

U.Porto é a melhor universidade para estudar de acordo com 6000 estudantes internacionais
14-10-2019

A Universidade do Porto deverá ultrapassar a barreira dos 6 mil estudantes internacionais, neste ano letivo 2019/2020, a frequentar um grau/curso completo ou a realizar um período de estudos na instituição no âmbito de programas de mobilidade internacional.


De acordo com os dados do primeiro semestre, verifica-se que 5249 estudantes, na sua maioria mulheres e provenientes de 93 países, chegaram à Universidade do Porto para prosseguir a sua formação académica. Este número representa um crescimento de mais de 25% face ao ano letivo anterior.

Este acréscimo do número de estudantes que procuram a Universidade do Porto traduz-se nos seguintes números de estudantes que estão a frequentar cursos de licenciatura e mestrado integrado: de 1137, em 2018/2019, para 1496 em 2019/2020.

Esta tendência que é acompanhada pela crescente procura dos cursos de pós-graduação (mestrados e doutoramentos) da U.Porto, que este ano registaram a entrada de 2305 estudantes internacionais, em relação aos 1947 registados no ano transato.

O Brasil (2866) lidera, como habitual, com 2866 estudantes a escolherem a Universidade do Porto para prosseguir estudos; depois é Moçambique, com 114 estudantes, Itália, com 107 estudantes e Cabo Verde com 79 estudantes.

A lista de estudantes inclui 84 nacionalidades, representativas de países tão diversos como África do Sul, Bangladesh, Coreia do Norte, Palestina, Japão ou Estados Unidos.

As faculdades que mais estudantes acolhem são as de Engenharia (706), Letras (560), Ciências (330), Economia (298) e Belas Artes (194).

De realçar que ainda não estão contabilizados os estudantes de mobilidade que chegam no 2.º semestre do ano letivo. Com a tendência crescente de estudantes estrangeiros a procurarem o Porto para estudar, a Universidade espera ultrapassar ainda este ano letivo, a barreira dos 6 mil estudantes internacionais, correspondentes a mais de 20% de toda a comunidade académica.