Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

i3S apresenta o GreenRehab para regenerar solos queimados
18-03-2019

O GreenRehab, projeto desenvolvido pelo Instituto de Investigação e inovação em Saúde (i3S) e pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) foi o único projeto a ser aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) na área de "Restauro pós-fogo e gestão florestal".


Paula Tamagnini, investigadora do i3S e docente da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, apresenta o estudo de um sistema a baixo custo, ecológico e de fácil implementação para reabilitar solos queimados.

Na sequência dos vários incêndios que provocaram enormes danos humanos e materiais em Portugal, em 2017, o i3S, em colaboração com a Câmara Municipal de Mortágua e de dois outros centros de investigação da Universidade do Porto - GreenUPorto/FCUP e CIBIO-InBIO - "visa desenvolver um sistema para a reabilitação rápida e controlada de solos queimados, através da aplicação de cianobactérias e microalgas, que irão funcionar como espécies pioneiras e iniciar/acelerar a formação de crostas biológicas do solo, criando as condições para o estabelecimento das comunidades de plantas vasculares, entre outras", elucida Paula Tamagnini.

Para a investigadora Paula Melo, do GreenUPorto/FCUP, "o consórcio de microrganismos selecionado pelas propriedades promotoras do crescimento das plantas e de melhoria da estrutura do solo irá travar a erosão e atuar como biofertilizante, promovendo a produtividade dos solos e acelerando a sua recolonização após o fogo".

O GreenRehab é composto por uma equipa multidisciplinar, especialista em microbiologia molecular, qualidade de solos, fisiologia vegetal e ecologia de diferentes unidades de investigação que fará "o primeiro levantamento sistemático de cianobactérias e microalgas presentes nos solos portugueses".

O projeto tem uma duração de três anos e conta com um financiamento de 180 mil euros da FCT. A primeira abordagem do projeto avança ainda este mês de março, em Mortágua.