Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Visitas culturais aos cemitérios
29-06-2015

O turismo cemiterial ganha cada vez mais adeptos. No Porto, a Câmara Municipal desenvolve um ciclo cultural que vai continuar em julho.


O X Ciclo Cultural dos Cemitérios do Porto continua no próximo dia 18 de julho, com a visita extraordinária ao Cemitério Britânico, conduzida pelo historiador de arte Francisco Queiroz. As inscrições já estão esgotadas. Mas o ciclo prossegue em setembro, com duas sessões, conduzidas pela especialista em história da fotografia, Maria do Carmo Serén, evocativas dos 100 anos da morte de Emil Biel (1838-1915), negociante, editor e fotógrafo alemão, considerado um dos precursores da fotografia em Portugal.


A última sessão foi dedicada à "Música no Prado do Repouso", guiada pela historiadora de música Ana Maria Liberal, com a atuação da soprano Sara Carneiro, do violoncelista António Oliveira, da flautista Daniela Marques e da harpista Mariana Maia.


Durante a sessão foi visitado o jazigo de família de Hernâni Torres (1881-1939), pianista e compositor, e junto ao qual foi interpretado por António Oliveira o "Nocturno para violoncelo", de H. Torre. Prosseguiu com passagem pelo túmulo de António Pereira Baquet, alfaiate e proprietário do tristemente famoso Teatro Baquet, de Francisco Eduardo da Costa (1819-1855) pianista, organista e compositor, onde Sara Carneiro e Mariana Maia interpretaram "Laudamus", da Missa da Ordem de S. Francisco (arranjo para canto e harpa) de F. E. da Costa.

 

Junto ao túmulo de Hippolyte Medina Ribas (1823-1883) flautista e compositor, Daniela Marques interpretou "Capriccio" para flauta solo, de José Maria Ribas. Seguiu-se o túmulo do ator Afonso dos Reis Taveira, onde se encontra inumado o violoncelista, compositor e empresário Domingos Ciríaco Cardoso (1846-1900), junto ao qual António Oliveira, interpretou "Ella", valsa para piano (arranjo para violoncelo solo) de C. Cardoso.


A sessão incluiu uma visita ao jazigo da família de José Francisco Arroyo (1818-1886), clarinetista, compositor, chefe-de-orquestra e empresário, onde Daniela Marques, interpretou Estudo n.º 1 para flauta solo, de J. F. Arroyo. Terminou, no cemitério privativo da Ordem do Terço, junto ao túmulo do cantor lírico, Silvestre de Aguiar Bizarro (1820-1882), onde Sara Carneiro e Mariana Maia, interpretaram Ária da ópera I Capuletti e i Montechi de Bellini.