Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Verão convida a descobrir o Parque da Pasteleira
14-08-2018

É um dos "segredos" que vale a pena descobrir numa visita demorada: localizado em Lordelo do Ouro, o Parque da Pasteleira é um dos "pulmões" da cidade, constituído por sete hectares de área verde. Ainda desconhecido por muitos, ganhará maior notoriedade com a abertura, ainda este ano, do Museu da História da Cidade.


Construído entre 2004 e 2009, este parque urbano é formado por duas parcelas separadas pela Rua de Afonso Paiva, mas ligadas por três pontões que criam unidade. Servido por uma ciclovia com dois quilómetros de extensão, que estabelece ligação ao Parque Ocidental da Cidade, é um lugar privilegiado, que convida a usufruir da vida ao ar livre e do contacto com a natureza.

Dar a conhecer este equipamento público tem sido um dos propósitos da Câmara do Porto, seja através de iniciativas próprias ou nascidas de parcerias. Pode mencionar-se, por exemplo, o festival de música Elétrico, que em julho passado foi um veículo de boas emoções, chamando ao local novos visitantes, de várias nacionalidades.

Antes, no mês de junho e para outros públicos, aqui decorreu a estreia do Cinema Insuflável, um projeto de itinerância do programa municipal Cultura em Expansão que tem levado a sétima arte a distintos locais, convidando as crianças para sessões gratuitas.

Já no final deste ano, o Parque da Pasteleira, situado perto do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, ganhará uma equipamento notável: no local menos óbvio, debaixo de terra, vai inaugurar-se o Museu da História da Cidade. Constituído por diferentes polos museológicos que se encontram dispersos, transformará um reservatório de água desativado há duas décadas num universo expositivo, cultural e performativo cheio de vida, interativo, ligando passado e futuro. Será o Museu que o Porto merece. E com ele será recuperada, também, a casa de chá existente.
 
Até lá, fica o convite para se descobrir a flora existente no parque (onde, fica a curiosidade, em 2017 foi plantado um clone da árvore centenária de Freixo de Espada à Cinta), aproveitar o parque infantil, usufruir dos seus caminhos e sombras e passar momentos relaxados.