Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Unanimidade na decisão de tomar conta do Batalha
17-01-2017

Foi hoje aprovada em reunião pública a celebração de contrato que permitirá à Câmara do Porto tomar conta do cinema Batalha nos próximos 25 anos e reabilitá-lo. O contrato prevê que a autarquia pague uma renda de 10 mil euros mensais, abaixo do valor de mercado, segundo referiu o Presidente da Câmara, Rui Moreira.


Todos os vereadores foram unânimes na decisão de a autarquia assumir a reabilitação e gestão do equipamento. "Só posso saudar o município e o executivo porque é um espaço emblemático do Porto. "Podemos também ter ali uma âncora para trabalhar a cidade", referiu Ricardo Almeida do PSD.


O vereador da CDU, Pedro Carvalho, aprovou a medida referindo que "todos nós temos um sentimento por aquele equipamento" mas questionou Rui Moreira sobre a decisão de arrendamento e não de compra do edifício.


Rui Moreira esclareceu o vereador da CDU que "a família não quer vender e não podemos obrigar ninguém a isso. Os proprietários deixaram claro que não gostariam de se desfazer daquilo que herdaram". O Presidente da Câmara referiu ainda que "o arrendamento tem um prazo de 25 anos, renovável, o que permite a amortização do investimento que vamos fazer".


O vereador do Urbanismo, Manuel Correia Fernandes, lembrou os presentes que o edifício do arquitecto Artur Andrade foi considerado "monumento de interesse público" em 2012, pelo ministério da Cultura, mas o cinema continuava fechado e a degradar-se. "Há mais de uma década e meia que estava fechado, se nada fosse feito iria desaparecer. Foi feito agora o que tinha de ser feito", saudando assim a decisão do actual executivo.


Aquele edifício era uma ferida na cidade que ninguém entendia", referiu Rui Moreira. O autarca pretende transformar o Cinema Batalha numa Casa do Cinema mas ter também outros espaços, nomeadamente expositivos, em colaboração com a Cinemateca. "Este equipamento tem de estar ligado ao áudio visual", referiu.


O funcionamento do Cinema Batalha constitui a consolidação da estratégia da Câmara do Porto de regresso do cinema à Baixa, iniciada com o lançamento do cartão Tripass e com a dinamização dos cinemas Trindade, Passos Manuel e Rivoli. "Isto fecha o ciclo que nós anunciamos de trazer o cinema para a Baixa", referiu Rui Moreira.


O Presidente da Câmara sublinhou ainda a importância deste equipamento para a reabilitação da cidade, daquela área em particular.


Para a Câmara do Porto, a reabilitação e utilização do Cinema Batalha é fundamental na recuperação social e comercial de toda a Praça da Batalha e ruas adjacentes. A recuperação e necessária adaptação edifício às atuais exigências será confiada ao professor e arquiteto Alexandre Alves da Costa, com fortes ligações ao edifício e ao cinema. Rui Moreira terminou a reunião de Câmara referindo que "esta é uma resposta aos anseios da população".


O anúncio da solução para o Cinema Batalha foi feito na sexta-feira passada, numa visita que o presidente da Câmara fez ao equipamento.