Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Teatro Sá da Bandeira adquirido por 3,5 milhões de euros pela Livraria Lello
30-05-2019

A Livraria Lello adquiriu o Teatro Sá da Bandeira por 3,5 milhões de euros, na hasta pública realizada esta manhã pelo Município do Porto.


A hasta pública tinha como valor-base de licitação 2,19 milhões de euros, estando a sua venda sujeita a condições especiais, conforme salvaguardou a Câmara do Porto. Condições essas que impõem que o comprador se obriga "a destinar exclusivamente o imóvel" ao Teatro Sá da Bandeira, "não podendo afetá-lo a um uso distinto", sob pena de reverter para o Município. 

"Se após a adjudicação definitiva do prédio o comprador pretender transmiti-lo a terceiros, antes ou depois da celebração do contrato, o Município do Porto reserva para si o direito de preferência na respetiva alienação", pode ler-se no documento.

Em março deste ano, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, anunciou que era intenção do Município alienar o Teatro Sá da Bandeira, uma vez cumprida a salvaguarda patrimonial do imóvel e a continuidade da sala de espetáculos.

"Consideramos que fizemos aquilo que a Lei prevê para o exercício do direito de preferência: garantir a salvaguarda patrimonial de um equipamento que para nós tem muito interesse histórico, que tem vivência, que é também interessante do ponto de vista cultural, mas que não tem, nem deve, ser a Câmara a gerir", afirmou.

A deliberação de abertura de hasta pública do Teatro Sá da Bandeira foi aprovada pela Assembleia Municipal em maio. 

Câmara tinha exercido direito de preferência para salvaguardar uso do teatro

A autarquia anunciou em junho de 2017 a intenção de comprar o Teatro Sá da Bandeira, exercendo o direito de preferência para "manter o teatro com a função social e cultural" e evitando assim que a sua alienação provocasse a descaracterização do imóvel, que poderia vir a ser utilizado para outro fim, nomeadamente para o mercado imobiliário do turismo ou ainda para outras finalidades, uma vez que não se encontrava classificado. "Poderia suceder ser vendido, demolido, transformado e até deixar de ser teatro", disse Rui Moreira em Assembleia Municipal. 

Com o processo de classificação "da majestosa sala [de espetáculos]" em curso na Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), o presidente da Câmara do Porto afirmou que o objetivo de preservação do edifício fica assegurado. A esta proteção junta-se uma outra, com a integração da empresa que gere a programação do equipamento no programa municipal Porto de Tradição.