Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Saiba o que é a T.A.P.P.P.
07-02-2016

Rui Moreira referiu-se hoje ao processo de reversão parcial da privatização da TAP, anunciado sexta-feira pelo Governo. No Correio da Manhã, o presidente da Câmara do Porto assina artigo intitulado "T.A.P.P.P.", onde recorda os números divulgados quarta-feira pelo Portal de Notícias do Porto, segundo os quais os voos que a companhia pretende descontinuar a partir de março, andam quase sempre lotados.


O autarca começa por sublinhar que os números desmentem "especialistas que nada sabem e escribas exaltados a mando de outros interesses" e que "a transportadora invoca, agora, que essas taxas elevadas não são suficientes para atingir o 'break even', ou seja, a rentabilidade".


Rui Moreira explica, depois, por que razão não fazem sentido as alegações da TAP e conclui que "já se percebeu qual é a estratégia: esvaziar o Aeroporto Sá Carneiro de vôos de médio curso para a Europa, retirar-lhe o Hinterland com o reforço dos voos da Galiza (Corunha e Vigo) para Lisboa, diminuir a ocupação dos voos intercontinentais de tal forma que também estes passem a ter uma equação negativa que justificará, depois, o seu abandono.".


Por fim, questiona as opções anunciadas pelo Governo: "Faltava saber o que o Governo, que prometera a reversão da privatização e controlo da empresa, iria fazer. Agora, sabemos. Optou por recomprar 11% da TAP aos privados para quem, assim, tudo fica mais barato. Mas continuam a mandar na companhia. Uma verdadeira parceria público-privada. Nós todos, do Minho a Faro, pagamos com os nossos impostos o custo e os prejuízos de uma empresa gerida por privados, que não nos presta serviço, e dedicada exclusivamente a servir a nossa capital.".


Noutro artigo publicado na sua página semanal no Correio da Manha, Rui Moreira refere-se, de novo ao tema, deixando o aviso de que "no Porto e no país, o tema não vai se vai dissipar, como se fosse nevoeiro.".


Leia o artigo online