Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Rui Moreira reorganiza executivo depois dos vereadores do PS terem entregue os pelouros
08-05-2017

Rui Loza é o novo vereador do urbanismo da Câmara do Porto, ficando com o pelouro que Correia Fernandes deixa vago, depois desta manhã os socialistas terem abdicado das suas competências no executivo municipal. Rui Moreira ficará com a habitação e ação social, que até agora pertencia a Manuel Pizarro.


O arquiteto Rui Loza foi eleito na lista independente de Rui Moreira há quatro anos, foi coordenador da elaboração do processo de candidatura do Centro Histórico do Porto à inclusão na Lista do Património Mundial da UNESCO (1996) e coordenou, em 2008, a equipa que elaborou o Plano de Gestão do Centro Histórico do Porto, Património Mundial.


Urbanista e investigador, com larga experiência em processos de Reabilitação Urbana, Ordenamento do Território e Ambiente, foi professor de Arquitectura e de Planeamento Regional e Urbano.


É autor de numerosos planos e projectos de arquitectura e de urbanismo e de um grande número de artigos, comunicações e conferências sobre Arquitectura, Planeamento, Reabilitação Urbana, Política de Cidades, Turismo Cultural e Património. É um conhecedor e divulgador entusiástico do Porto Património Mundial e assume, a partir de hoje, o pelouro do urbanismo, até final do mandato.


Rui Moreira, que estava ultimamente mais aliviado de pelouros, depois de ter distribuído pelouros a Ricardo Valente (PSD), há cerca de um ano, e a Manuel Aranha (Independente), que se tornaram vereadores executivos, na sequência das mortes de dois vereadores, acumula agora o pelouro da cultura e da proteção civil, com a habitação e ação social.


Com esta reorganização, Rui Moreira mantém a maioria absoluta no executivo, tendo sete em 13 membros com pelouro.


Os dois vereadores do Partido Socialista, Manuel Pizarro e Correia Fernandes, abdicaram formalmente esta manhã dos pelouros que lhe estavam distribuídos pelo presidente da Câmara, deixando de ter competências executivas.