Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Rui Moreira no programa Prós e Contras: "Nada tem maior dimensão política do que a escolha da Cultura"
08-01-2019
O presidente da Câmara do Porto participou na noite desta segunda-feira no programa Prós e Contras da RTP1, que está de regresso à cidade para refletir sobre os desafios para 2019. Falando da sua governação independente, destacou a escolha da cultura como "cimento" dos outros três pilares: coesão social, economia e sustentabilidade.


Rui Moreira foi um dos convidados principais da jornalista Fátima Campos Ferreira para o programa da televisão estatal Prós e Contras, realizado a partir da Fundação de Serralves, que comemora o seu 30.º aniversário em 2019. Nas suas intervenções, falou da cidade, do país e da Europa, num ano que será marcado por três eleições: europeias, regionais (na Região Autónoma da Madeira) e legislativas.

Num período que reserva também ao Porto grandes investimentos, com a conclusão, continuidade e início de grandes obras, há uma aposta que se mantém central: a cultura. Para o autarca, "não há nada com maior dimensão política" do que isto. Como explicou, a cidade sempre foi "interclassista" e "cosmopolita", aberta a receber gente de todos os lugares. "Basta olhar para o nome das ruas", disse.

Nessa medida, o presidente da Câmara do Porto entende que a cidade convive bem com a "maré alta" do turismo, porque precisamente "sabe manter a sua identidade". E essa identidade, enraizada nos portuenses, mantém-se viva pela cultura.





Se o Município estabeleceu há cinco anos essa prioridade, Rui Moreira concordou com Paula Gomes da Costa, diretora da Critical Software e convidada do mesmo programa, considerando que a sociedade civil também deve ter um importante papel na promoção cultural e social.

Representa um bom exemplo dessa dinamização o bem-sucedido projeto Mira, instalado na Rua de Miraflor, em Campanhã. Manuela Matos Monteiro, responsável com João Lafuente pelo Espaço Mira, Mira Fórum e Mira|Artes Performativas, esteve no programa para explicar a mudança na comunidade e os laços ali construídos.

Definitivamente, a chegada daquele projeto (também de vida) há já cinco anos àquela artéria próxima da Estação de Campanhã veio mudar a vida dos seus habitantes e comerciantes, estimulando o seu sentimento de pertença e constituindo-se como elemento de coesão social.

A propósito, referiu Manuela Matos Monteiro, o programa municipal Cultura em Expansão apoiou recentemente o projeto Mira com a elaboração do Mapa Emocional de Miraflor, um trabalho de pesquisa, recolha e divulgação, que preserva o passado e as características daquela rua através de memórias individuais e coletivas.

O Prós e Contras continuará na cidade do Porto pelo menos durante o mês de janeiro, para debater os desafios para 2019. Neste arranque, marcaram ainda presença como convidados principais Rui Reis, investigador e diretor do Grupo 3B's da Universidade do Minho, e Paulo Sarmento e Cunha, diretor geral da Casa da Música.