Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Testemunho de Rui Moreira sobre Miguel Veiga publicado hoje no Expresso
19-11-2016

O presidente da Câmara do Porto dá o seu testemunho acerca de Miguel Veiga na edição de hoje do Expresso. O histórico fundador do PSD, que era amigo de Rui Moreira e apoiou a sua candidatura independente nas Autárquicas 2013, morreu esta semana. O texto de Rui Moreira surge no Expresso ladeado pelo testemunho de Francisco Balsemão e é intitulado "O sedutor da liberdade".


"Conheço Miguel Veiga desde que me conheço a mim", começa por assinalar Rui Moreira no seu texto, que ocupa boa parte de uma página do Expresso e que está também publicado online.


"Miguel Veiga personificava, como ninguém, a burguesia liberal e culta do Porto. A esse propósito explicava que a 'burguesia do Porto vem do trabalho e, não assentando a sua superioridade no sangue, se viu obrigada a apurar a sua educação, o gosto, a cultura, o que explica a sua identidade pela diferença face ao exterior e uma homogeneidade face ao interior'.", pode ler-se no texto, que está ilustrado, na versão online, com a imagem de Rui Moreira, em 2015, a entregar ao seu amigo a Medalha de Honra da Cidade, decidida pelo Executivo, por unanimidade.


A campanha eleitoral que o elegeu como presidente da Câmara também é recordada no texto: "Entusiasmou-se com a minha candidatura à Câmara do Porto, que inspirou desde a primeira hora. Recordo o seu otimismo quando muitos achavam que era um devaneio. As suas intervenções na minha campanha foram arrebatadoras, inesquecíveis. Queria o que era melhor para o Porto, por quem tinha uma paixão patriótica e nada bairrista, sentimento que o seu cosmopolitismo nunca lhe permitiria abraçar. Durante aqueles meses, deu-nos tudo, com a sua experiência crítica. Foi sentado a seu lado que soube da nossa vitória. Foi dele o primeiro abraço nessa que seria a sua última vitória.", escreveu.


LEIA O TEXTO NA ÍNTEGRA