Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Rui Moreira quer mais Metro
08-11-2015

Rui Moreira defendeu hoje a expansão da rede de Metro do Porto "na malha mais urbana" na sua crónica semanal no Correio da Manhã. O autarca do Porto elogiou o sistema de metropolitano que diz ter sido corresponsável pela redução de mais de 20% de emissões de CO2 na cidade numa década.


Fazendo uma síntese histórica da evolução do transporte público na cidade, Rui Moreira lembra que o Metro chegou ao Porto com 100 anos de atraso e que a sua implementação transformou a qualidade de vida em toda a Área Metropolitana, defendendo a sua densificação.


O presidente da Câmara do Porto escreve que, ao contrário do transporte público, "o automóvel assumiu um carácter anárquico e condicionador nas novas áreas de expansão urbana e as cidades tornaram-se, rapidamente, poluídas, irracionais e, por vezes, insuportáveis" e explica o círculo vicioso que está criado entre o transporte coletivo e o individual: "Os cidadãos usam o transporte individual por o acharem vantajoso e, com isso, prejudicam o transporte colectivo cuja eficiência se reduz com o congestionamento que o torna menos competitivo, o que incentiva o uso do automóvel", acrescentando que o problema "não se resolve com a simples proibição do automóvel em zonas limitadas da cidade, como já acontece em certas áreas do Porto, pois não resolve os grandes movimentos pendulares diários".


Rui Moreira lembra ainda a oportunidade que o novo Quadro Comunitário de Apoio pode representar até 2020 e afirma: "Num quadro comunitário que nos dizem ter tantas preocupações acerca do desenvolvimento social, económico e de eficiência energética, não faz sentido que este não seja um desígnio prioritário", e explica a racionalidade: "Não apesar da escassez de recursos, mas por causa dela, já que é um meio de transporte ecológico e financeiramente sustentável".


Recorde-se que a expansão da rede de Metro do Porto encontra-se já estudada e consensualizada, através de uma linha que serviria a zona ocidental da cidade que, tendo estado prevista e projetada nunca chegou a ser construída.