Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Rui Moreira desafia o Governo
08-02-2016

O presidente da Câmara do Porto desafiou hoje o Governo a fazer valer a sua posição de sócio e a dar ordens à TAP para manter as ligações internacionais que a transportadora anunciou querer suspender partir do aeroporto Francisco Sá Carneiro.


"O aeroporto do Porto não tem sido um 'hub' da TAP. O Governo disse que a razão fundamental de reassumir 50% da TAP é para que haja um 'hub' no Porto. Para isso, é preciso um sinal, dando ordens à administração da TAP para que não sejam interrompidas as ligações a Roma, Milão (Itália), Bruxelas (Bélgica) e Barcelona (Espanha), ou o voo noturno de Gatwick (Londres, Inglaterra)", afirmou Rui Moreira em conferência de imprensa esta manhã.




"Se o Estado detém 50% da TAP, então a companhia deve prestar um serviço público" e que "o serviço público deve ser prestado em todo o território", lembrando os dados divulgados esta manhã pelo Portal de Notícias da Câmara do Porto, segundo os quais a companhia perdeu metade da quota de mercado em seis anos no Porto, mantendo-a em Lisboa.


O Primeiro-Ministro, António Costa, disse no sábado que o acordo para a reversão da privatização da TAP deixa o Governo com margem para intervir sobre a manutenção de uma base no Porto e na definição de rotas estratégicas.


Além da manutenção dos voos de médio curso, Rui Moreira deixou ainda um pedido a António Costa e à TAP: "já agora acabem com essa brincadeira dos voos para a Galiza", considerando que tal rota servirá apenas para drenar tráfego para o aeroporto da capital, subtraindo-o ao Porto.


Durante a conferência de imprensa, o autarca recordou que anda a "falar sobre isto há dez anos" e citou o relatório e contas consolidado da TAP para demonstrar que a companhia já não encara o Porto como um "hub". No documento lê-se: "No eixo de consolidação do crescimento da Companhia e aumento do foco no hub, será desenvolvido um esforço de crescimento contínuo da rede e de aumento do foco nas operações do hub de Lisboa e da sua contínua melhoria. No âmbito do crescimento da rede, a TAP ambiciona consolidar e robustecer a sua posição nos mercados em que atualmente opera e ambiciona definir e crescer em mercados de elevado potencial e nos quais tem tido uma presença inferior. No âmbito do aumento do foco no hub, a TAP continuará a otimizar e fazer crescer as suas operações no hub de Lisboa, e continuará também a desenvolver o seu papel nos outros aeroportos em Portugal a partir dos quais opera, tais como Faro, Porto e Funchal."


Sobre o papel nacional da TAP, que agora ficará com 50% de capital do Estado, Rui Moreira lembrou também que a companhia tem vindo a abandonar outros aeroportos, como o de Faro, onde possuía no último trimestre de 2015 apenas 4% do mercado, e Ponta Delgada, onde só já tem 7%.


Acerca da alegada falta de rentabilidade dos voos que a TAP pretende descontinuar a partir do Porto, Rui Moreira falou em gestão: "se a TAP não consegue rentabilizar voos que andam cheios ou tem um problema de gestão ou de preço. Não me parece que companhias como a Lufthansa, que acaba de anuncia um voo direto para Munique o faça para perder dinheiro", sublinhou.


A conferência de imprensa foi transmitida por diversas estações de televisão nacionais e uma brasileira.