Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Eixo Atlântico quer infraestruturas
03-03-2015

Quatro grandes cidades juntaram-se hoje, no Porto, com o secretário-geral do Eixo Atlântico numa reunião onde foram debatidas infra-estruturas da Região Norte. Os presidentes de Porto, Braga, Viana do Castelo e Bragança também querem novas formas de financiamento.


Os presidentes das câmaras do Porto, Braga, Viana do Castelo e Bragança identificaram três investimentos prioritários para o Norte: a ligação rodoviária Bragança - Puebla de Sanabria, a modernização da linha Porto - Vigo e o Porto de Leixões. Recorde-se que em Puebla de Sanabria ficará uma das estações do TGV espanhol. A ligação rodoviária em causa custará, do lado português, cerca de 25 milhões de euros, segundo esclareceu o autarca de Bragança.


Os quatro exigiram também um "novo modelo de concertação territorial", opondo-se, por exemplo, àquilo que consideram ser o "elefante branco" do porto do Barreiro.


Em declarações aos jornalistas no final de uma reunião que também contou com a presença do secretário-geral do Eixo Atlântico, o presidente da Câmara Municipal de Braga e vice-presidente do Eixo Atlântico, Ricardo Rio, disse que os autarcas da região Norte partilham "o mesmo conjunto de preocupações".


"Há de facto muito a fazer em termos do potencial de crescimento do Norte e para isso é necessário um novo modelo de concertação territorial, é necessário dar outro relevo aos agentes de desenvolvimento locais, em particular, às autarquias enquanto agentes democrática e legitimamente eleitos", afirmou Ricardo Rio.


O anfitrião do encontro, o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, sublinhou a ideia das preocupações conjuntas e lamentou que as autarquias não tenham "muitas vezes sido ouvidas no desenvolvimento regional".


Sobre o caso concreto do porto de Leixões, a aproximar-se "do esgotamento da sua capacidade", Rui Moreira disse que, ao mesmo tempo que percebem haver "indefinições quanto ao desenvolvimento do porto de Leixões", ouvem falar no novo porto do Barreiro, que "não é mais do que uma nova Ota, um novo elefante branco".


"É fundamental que [o alargamento do porto de Leixões] seja definido como um investimento prioritário, se é que o país quer acreditar que é preciso crescer através da exportação. Se nós não formos capazes de fazer esse investimento o que vai acontecer é que as nossas exportações vão definhar e vão definhar porque a nossa porta de saída subitamente não é adequada aos meios de transporte que estão em voga", declarou o presidente da Câmara do Porto.


O presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa, realçou, por seu lado, a importância da modernização da ligação ferroviária entre Porto e Vigo.


O secretário-geral do Eixo Atlântico, Xoan Vázquez Mao, salientou que o TGV entre Vigo e a Corunha vai entrar em funcionamento este mês e que, para uma distância igual à que separa o Porto de Vigo, vai encurtar a viagem para uma hora e 10 minutos.


"A relação fica desnivelada, quando temos Leixões, Viana, a Universidade do Minho, o Sá Carneiro", declarou Mao.