Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Quantos passos distam do Bolhão ao Mercado Temporário? Rui Moreira contou 200 e abriu a porta
17-05-2017

Da porta do Bolhão à do Mercado Temporário que vai albergar os comerciantes enquanto durarem as obras do edifício centenário, são 230 passos. Dos nossos, porque Rui Moreira, com passada larga, chega lá com 200. Quer isto dizer que os comerciantes do Bolhão vão não apenas ficar bem instalados, como muito perto.


O enorme espaço, com mais de cinco mil metros quadrados disponível no Centro Comercial La Vie, na Rua Fernandes Tomás, tem todas as condições logísticas, de salubridade e de venda, interagindo com a mesma estação de metro: a estação do Bolhão. O presidente da Câmara, acompanhado pelo presidente da União de Freguesias do Centro Histórico, pelos responsáveis pelo Gabinete do Bolhão e por vendedores, visitou hoje o espaço que mostrou aos jornalistas.




Trata-se de um espaço magnífico, que tem acesso direto pela rua, em frente à estação de Metro, mas também pelo interior do Centro Comercial, com escadas rolantes, elevadores e condições sanitárias. Rui Moreira salientou ainda as condições logísticas como armazém e uma doca e monta-cargas para o abastecimento do mercado.


A Câmara prevê que os vendedores para ali sejam transferidos em setembro, altura em que as obras no edifício do Mercado do Bolhão obrigarão à sua saída, uma vez que as que já decorrem no subsolo não interferem, para já, com o normal funcionamento do velho edifício.


A decorrer estão os concursos públicos para a instalação de bancas e para o tratamento do espaço no Mercado Temporário e para o restauro e modernização do edifício com cerca de 100 anos. A duração das obras no mercado será de 24 meses. Findo esse período, os vendedores regressarão ao seu espaço que se manterá como mercado tradicional de frescos, totalmente público.


O processo custará cerca de 27 milhões de euros e a Câmara do Porto tem já os saldos necessários, amealhados ao longo do mandato, para realizar a obra, mesmo que não venha a beneficiar de fundos comunitários.