Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Protocolo assegura gestão de informação eficaz para proteger o abastecimento público de água no Porto
10-10-2016

Esta manhã, foi assinado nas instalações da empresa municipal Águas do Porto, um protocolo no âmbito do Plano de Segurança da Água que tem como principal objetivo instituir um canal de comunicação privilegiado entre as várias entidades participantes, de modo a proteger o abastecimento público de água na cidade do Porto.


Durante cerimónia, o presidente da Câmara do Porto sublinhou que, desde o início do seu mandato, que a autarquia tem estado empenhada em "promover um sistema integrado e inteligente na gestão dos recursos hídricos da cidade", trabalhando em estreita articulação com a Águas do Porto.


Referindo-se concretamente ao Plano de Segurança da Água, aprovado em agosto de 2015, e cujo objetivo estratégico consiste em assegurar sistematicamente a segurança e a aceitabilidade do abastecimento de água para consumo humano, em termos de quantidade e qualidade na cidade do Porto, Rui Moreira sublinhou que é um plano "para as pessoas, construído sobre o propósito claro de assegurar a qualidade da água na cidade em todos os momentos e cenários", contribuindo para a segurança dos munícipes e visitantes.


O presidente da Câmara do Porto teceu, ainda, algumas considerações sobre a importância da água na atualidade, sobretudo em meios urbanos, bem como dos fatores que afetam a sua gestão, como, por exemplo, as alterações climáticas, a ocorrência de catástrofes naturais, a poluição, o envelhecimento das infraestruturas, "mas também outros de caráter mais social, como as crises económicas e as flutuações demográficas".


Na impossibilidade de prever com exatidão os cenários que poderão afetar a qualidade e abastecimento de água no futuro, Rui Moreira afirmou que o caminho passa pela "definição e controlo de indicadores de gestão, pela antecipação de cenários de crise, pela avaliação do risco, e sobretudo pela promoção de uma comunicação ágil e eficaz entre as entidades estratégicas da cidade, que permita mitigar quaisquer consequências desfavoráveis na vida dos consumidores deste bem essencial".


O documento acautela o estabelecimento de canais de comunicação eficientes, de modo a permitir a circulação de informação relevante e precisa e adotar rapidamente medidas adequadas às possíveis situações de risco.


A cerimónia contou com a presença do administrador das Águas do Porto, Frederico Martins Fernandes, do reitor da Universidade do Porto, Sebastião Feyo de Azevedo, representantes da saúde, da Águas do Norte e da Infraestruturas de Portugal, os presidentes Associação Comercial, Associação dos Comerciantes do Porto e Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo, e representantes de vários departamentos municipais, que assinaram o referido documento.