Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Proposta para descobrir o Lugar do Pasteleiro que ninguém conhece mas todos adivinham onde fica
16-01-2020
As propostas do Museu da Cidade para os próximos dias incluem a descoberta de um daqueles segredos que o Porto continua a guardar e que poucos - além dos historiadores da cidade como Hélder Pacheco, Germano Silva ou Joel Cleto - conhecerão: sabe onde fica o lugar ou sítio do Pasteleiro?

Depois de conhecida, a resposta poderá até parecer bastante lógica, mas é assunto para explorar durante a tarde de hoje (16 de janeiro), na Casa do Infante, em mais uma sessão do ciclo O Documento do Mês e em que a técnica municipal Daniela Ferreira volta a tirar das prateleiras do arquivo um documento histórico da cidade.

Com início às 15,30 horas e de acesso gratuito, a sessão vai então descobrir o "coração" de Lordelo do Ouro, onde a ocupação do lugar do Pasteleiro remonta a tempos imemoriais: "Em 1835, a 22 de agosto, às 7 horas da tarde, pouco mais ou menos, passeava eu, com a imaginação pelos mundos ideais de Platão, e os pés sobre o terreno saibroso de um cerrado pinhal, no sítio do Pasteleiro, nos subúrbios de São João da Foz" - Camilo Castelo Branco, in "Cenas da Foz".

Na iniciativa a desenvolver nesta tarde, será assim abordada a história daquela zona do Porto que foi alvo de grandes transformações, sobretudo nos últimos dois séculos. Outrora palco de batalhas entre miguelistas e liberais, o denso pinhal antigamente conhecido como lugar do "Pasteleiro" deu origem a um moderno Parque Urbano de cerca de 7 hectares - o Parque da Pasteleira - que o Município construiu recentemente e que tem vindo a potenciar com numerosos eventos, além de ali instalar um Centro de Educação Ambiental.

Percurso cultural de Vitória a Miragaia

Outra proposta do Museu da Cidade relacionada com a História do Porto é o percurso cultural que se realiza na tarde da próxima terça-feira, 21 de janeiro, sob o tema "De Vitória a Miragaia".

Com partida às 15 horas do Largo do Amor de Perdição (junto ao Centro Português de Fotografia), a iniciativa tem um custo de participação de 3 euros e propõe-se percorrer o morro da Vitória e conhecer o seu património, do qual se destaca a cabeça original da escultura da padroeira da Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Vitória.

Esse templo é um dos mais bonitos monumentos do vasto património da freguesia e importante ponto de atracão para os turistas que diariamente a visitam e vagueiam por entre as ruas da zona histórica da cidade, oportunidade agora ao alcance dos interessados neste evento, que conta com a orientação de António Moura e termina na Alfândega do Porto.