Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Projeto "Porto. Importa-se" combate isolamento dos idosos nos bairros sociais
21-07-2017

A Câmara do Porto está a implementar um projeto solidário de intervenção técnica e social direta junto dos seus inquilinos mais idosos e em situação de isolamento. "Porto. Importa-se" chega ao terreno para responder a um universo de mais de 2.000 pessoas e sem se assumir como resposta de fim de linha, mas antes enquanto processo continuado, formador de uma rede alargada de parceiros e serviços de proximidade.


O projeto foi esta semana apresentado pela Domus Social e vai ao encontro de cidadãos sozinhos com mais 70 anos e casais com mais de 75 anos. Surge para "colmatar dificuldades sentidas por este público-alvo".


Na sua apresentação, o presidente da Câmara, citando o exemplo escandinavo, manifestou a importância de esta intervenção resultar em "visitas periódicas", instaladas na rotina, aos idosos "antes de estes se encontrarem em estado de perigo", de dependência. Ou seja, a intenção não é aparecer quando já pouco pode ser feito, mas atuar atenta e consistentemente no sentido de se dar aos inquilinos seniores do Município maior qualidade de vida.


O "Porto. Importa-se" está a obedecer a uma metodologia de implementação que parte do reconhecimento profundo da realidade da população visada nos bairros de habitação social da cidade. Rui Moreira alertou, a propósito, que o trabalho de recolha dever ser feito através de uma "amostragem absoluta" que permita realizar o retrato "fidedigno da realidade dos idosos visados no estudo".


E há já dados concretos: os mais de 2.000 cidadãos a quem se destina o projeto são formados por 1.592 idosos em situação de isolamento e 586 casais seniores.




Este trabalho assenta em objetivos orientadores, estabelecidos a partir do levantamento dos problemas dos idosos nos bairros de habitação social da cidade, em particular os problemas habitacionais.


Identificar as respostas sociais por territórios envolventes integradores dos bairros e promover e articular a mediação entre a população idosa e as diferentes respostas sociais são desígnios definidos, bem como a necessidade de complementar as respostas formais institucionais prestadas à população com um serviço de voluntariado alargado, contando, na sua base, com colaboradores da autarquia. Tem ainda como propósito criar uma plataforma de informação e comunicação em rede, entre os técnicos de apoio ao projeto.


Desenvolvido com o apoio técnico do Instituto Superior de Serviço Social (ISSSP) e em parceria com as Juntas de Freguesia e estruturas locais de solidariedade social, o "Porto. Importa-se" obedece a um cronograma de implementação.


Elaboração e aplicação do inquérito de orientação de todo o trabalho, colocação de equipas no terreno e construção de uma rede alargada de parcerias e serviços da comunidade, bem como a criação da referida plataforma de informação, que se deseja dinâmica, são etapas de um processo iniciado este mês que será avaliado, com apresentação de resultados finais, em junho de 2019.


Conforme explica a Domus Social, neste projeto "os problemas e constrangimentos diagnosticados serão abordados e resolvidos numa lógica de intervenção em rede, com partenariados sólidos e sustentáveis. Por outro lado, pretende-se fomentar as potencialidades locais e as redes solidárias locais, formais e informais, considerando intervenções a longo prazo, sustentadas na capacidade já instalada no território e aproveitando eficazmente os recursos" da empresa municipal, na resposta aos problemas dos moradores idosos.


Com método e em rede, "Porto. Importa-se" afirma no nome a intenção: valer a quem precisa, chegar a tempo e apresentar respostas eficazes que não deixam os afetos de fora.