Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Presidente internacional dos cuidadores de VIH veio saber mais da estratégia Porto, Cidade sem Sida
18-10-2019
O Professor Henrique Barros e o presidente da IAPAC - Associação Internacional de Prestadores de Cuidados no VIH, José Zuniga, tiveram nesta semana uma reunião de trabalho com o presidente da Câmara do Porto e o vereador da Habitação e Coesão Social, em que abordaram a forma como a cidade está a lutar contra a sida.

O "Plano de Ação da Estratégia Porto, Cidade sem Sida", que Rui Moreira lançou em maio deste ano e que tem como coordenador científico e técnico Henrique Barros, que é também presidente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, foi por isso alvo da atenção de José Zuniga, que há mais de 22 anos está ligado a esta temática e que, estando em Portugal a trabalho, aproveitou para conhecer o plano portuense intimamente ligado à participação do Porto na rede Fast-Track Cities.

Presidente da associação com sede em Washington DC, nos Estados Unidos, Zuniga quis assim saber mais sobre a aplicação dessa estratégia, em que a Câmara do Porto envolveu uma série de entidades que atuam no terreno, quase todas integradas na Rede Social e no Conselho Local de Ação Social do Porto e, portanto, bem conhecedoras da realidade local.

A "Porto, Cidade sem Sida" visa travar o aumento do número de infetados, mas também lutar contra o estigma de que são alvo. A estratégia passa ainda por melhorar substancialmente os dados que permitam a caracterização epidemiológica da infeção (as pessoas, os lugares e o tempo); aumentar a frequência e o acesso ao teste VIH, assim como a identificação das comorbilidades mais frequentes; manter, e se possível maximizar, o acesso ao tratamento, nomeadamente assegurando a ligação aos cuidados e a identificação qualitativa e quantificada de barreiras e boas práticas; avaliar e melhorar a qualidade de vida das pessoas em maior risco de infeção ou que vivem com infeção VIH.