Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Porto/Post/Doc e a idade da juventude
18-11-2015

Foi hoje apresentada a programação para a segunda edição do Porto/Post/Doc - Festival Internacional de Documentário e Cinema do Real do Porto -, que decorrerá entre 1 e 8 de dezembro, no Teatro Municipal Rivoli, no Cinema Passos Manuel e no espaço Maus Hábitos. São cerca de 70 filmes que mostram o melhor do cinema documental contemporâneo do último ano, onde se destacam a juventude e a cultura pop.


Este ano o certame é dedicado ao tema "Teenage", uma das novidades apresentadas nesta edição, onde se englobam filmes que debatem e pesquisam a identidade instável mas criativa entre a infância e a vida adulta.

 

Paralelamente destaca-se, também, a seção de competição internacional, onde filmes vindos de todo o mundo espelham a diversidade de abordagens do documentário contemporâneo e a sua contaminação pela ficção, assim como, as demais categorias e seções que vão desde filmes com especial ligação com a música a um olhar sobre o novíssimo cinema português e o que se faz do outro lado da Ibéria, de cartas brancas e homenagem a cineastas, até filmes sobre a nossa vida real feitos por estudantes do ensino artístico da cidade.

 

Igualmente, e para pensar o documentário, volta a realizar-se o "Fórum do Real" que, durante dois dias, discutirá sobre "Documentar o Imaginário" e contará com a presença de diversos oradores.

 

Chantal Akerman, Thom Anderson e Lionel Rogosin, são os três cineastas homenageados nesta edição. Entre eles existem décadas de distância, mas todos intervieram na transformação do documentário, onde se denota um evidente empenhamento político, na capacidade que o documentário tem, que pode e deve servir para denunciar, mostrar ou preservar o movimento humano do mundo.

 

Na apresentação do programa, que engloba filmes de 26 nacionalidades, com 44 estreias nacionais e 11 mundiais, estiveram presentes, Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, e Dario Oliveira, diretor do Porto/Post/Doc.

 

Rui Moreira destacou o "mérito deste festival" como uma forma de combater a "carência de cinema na cidade", salientando que o atual executivo tem vindo a trabalhar para colmatar essa lacuna, apostando no desenvolvimento e divulgação do cinema, em interligação com os espaços culturais e as escolas artísticas da cidade. Olhando para os números da primeira edição, o autarca salientou o crescimento que este festival registou e que "ajuda a colocar o Porto no mapa", já que traz consigo um conceito "muito inovador", "uma versão diferente do cinema documental" e "retrospetivas de realizadores muitas vezes desconhecidos do público".

 

Dario Oliveira relembra que "são oito dias de encontro entre profissionais e público participante" onde se mostram "coisas que estão escondidas ou esquecidas". Durante a sua intervenção, Dario Oliveira homenageou a vida e obra de Paulo Cunha e Silva, frisando mesmo que é graças ao falecido vereador que este festival existe na cidade.

 

O Porto/Post/Doc conta com um investimento de cerca de 150 mil euros e o apoio da Câmara do Porto. A primeira edição, em 2014, esteve reservada ao tema "Trabalho", exibiu 56 filmes e contabilizou mais de seis mil espetadores em cerca de 70 sessões.


Mais informações em Porto/Post/Doc