Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Porto trabalha para estar na linha da frente na promoção dos cuidados de saúde
22-11-2018
O Porto quer posicionar-se enquanto município de referência na promoção da saúde, pautando a sua atuação por medidas a montante da doença, ou seja, na área da prevenção. Esta foi uma das premissas estabelecidas pelo presidente da Câmara do Porto na sessão de aberturas das II Jornadas Municipais de Saúde que se realizam nesta quinta-feira, no auditório do ICBAS - Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar.

Rui Moreira salientou todo o processo de elaboração do Plano Municipal de Saúde do Porto, enquanto instrumento diretor na área das políticas de saúde da cidade, precisamente a temática deste encontro entre profissionais das áreas da saúde e social, bem como as entidades parceiras da Câmara e demais agentes que atuam direta ou indiretamente no setor da saúde.

"Pretendemos que seja um documento estruturante que, de uma forma prática e clara, defina as opções municipais em matéria de saúde", disse, e salvaguardou que o plano não deve ser entendido como uma ferramenta de substituição das competências das entidades prestadoras de cuidados de saúde nos seus diferentes níveis, mas sim "como um documento agregador dos eixos orientadores estratégicos das várias entidades parceiras que, em conjunto, convergem para o grande objetivo de potenciar a saúde e bem-estar das pessoas e da comunidade".

O documento - que reuniu já contributos de mais de 300 pessoas e 50 entidades, com destaque para os Agrupamentos de Centros de Saúde do Porto Ocidental e Oriental - deverá facilitar o desenvolvimento de um "trabalho abrangente, complementar e sinérgico", que "potencie os recursos existentes" e responda de forma eficaz às reais necessidades de saúde, com "particular enfoque nos setores mais fragilizados da população", explicou o autarca.

Rui Moreira lamentou a não comparência das entidades do Estado nestas jornadas e o arrastar de processos relativos a equipamentos de saúde da cidade, nomeadamente os Centros de Saúde de Ramalde, do Cerco, da Batalha e de Azevedo de Campanhã. "A Câmara tem feito aquilo com se comprometeu", garantiu.

As obras na ala pediátrica do Hospital São João foram igualmente relembradas por Rui Moreira. "Se [as entidades estatais] ficam incomodadas relativamente às posições que a Câmara Municipal toma relativamente ao Joãozinho, vão ter de continuar a ficar incomodadas", disse, e acrescentou que "não apontámos o dedo a ninguém; apontámos apenas o dedo àquilo que não é feito e que precisa de ser feito".



A importância do Plano Municipal de Saúde para a cidade

As II jornadas municipais dedicadas à saúde estão centradas na apresentação do trabalho que tem vindo a ser efetuado no âmbito da criação e desenvolvimento do Plano Municipal de Saúde do Porto.

Fernando Paulo, vereador com os pelouros da Habitação e Coesão Social e da Educação, explicou ao "Porto." que o documento se encontra em fase de redação para depois ser levado a discussão pública e posterior aprovação, "que esperamos que aconteça durante 2019".

O plano encontra-se assente em quatro eixos estratégicos - "envelhecimento ativo", "consumo de substâncias lícitas e ilícitas", "alimentação saudável" e "saúde mental" - mas reúne contributos de áreas muito diversas e paralelas.

"Não tem só a ver com a área da coesão, da educação ou especificamente com a área da saúde, mas também com questões do ambiente, das acessibilidades, do transporte, do desporto, da juventude", disse o responsável político, explicando que os equipamentos são extraordinariamente importantes, "não só os desportivos, mas também os culturais".

Recorde-se que, em outubro passado, o Porto aderiu à Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis e subscreveu a Declaração de Lagoa - Governação Local para Saúde, no âmbito do VII Fórum da Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis que se realizou naquela cidade açoriana. Desta forma, o Município ficou comprometido a desenvolver políticas e iniciativas para que o Porto esteja na linha da frente relativamente à promoção de estilos de vida saudáveis da população, a prevenir e evitar a doença.