Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Porto já está a produzir 1.000 máscaras por dia e a primeira remessa sai hoje
18-03-2020
Rui Moreira revelou esta manhã que a empresa local com a qual a Câmara do Porto articulou a produção de máscaras cirúrgicas, já está a produzir "cerca de 1.000 máscaras por dia". A primeira entrega será realizada hoje. Há ainda mais duas empresas interessadas em fabricar material de proteção individual, que estão a articular essa possibilidade com o Município.

O empresário de Campanhã que contactou o gabinete do Presidente da Câmara do Porto, montou a unidade de produção de máscaras em tempo recorde e, com a capacidade instalada, já produz cerca de um milhar por dia.

Mas poderá ainda ter uma capacidade muito superior. "Tivemos a informação de que se conseguirmos importar uma máquina existente no Japão, é possível quadruplicar ou quintuplicar essa capacidade", avançou o presidente da Câmara do Porto esta quarta-feira, no dia em que abriu o Centro de Rastreio Móvel à doença de Covid-19, uma operação concertada entre o Município, a Unilabs Portugal e a ARS-Norte.

Há ainda mais duas fábricas que se disponibilizaram para produzir máscaras de proteção pessoal, do tipo cirúrgico, e que "muito rapidamente" estarão em condição de o começar a fazer, revelou ainda o chefe do gabinete da Câmara do Porto, Nuno Nogueira Santos, à comunicação social.

"Temos mais duas empresas a querer produzir máscaras, a pedir referências técnicas para muito rapidamente começar a produzir máscaras", avançou o chefe do gabinete da Câmara do Porto. Até aqui, lembrou, apenas uma fábrica no país produzia máscaras deste tipo, tendo passado a duas, com a parceria que a autarquia estabeleceu com um empresário de Campanhã, que adquiriu matéria-prima própria e rapidamente reconverteu a sua unidade fabril, que normalmente fornece o setor hoteleiro, ajustando-a às necessidades prementes do Município e da população.



A prioridade, neste momento, "é garantir máscaras aos trabalhadores da Câmara do Porto que que continuam a desempenhar as suas tarefas, como a Proteção Civil, os Sapadores Bombeiros, um conjunto de trabalhadores que, inevitavelmente, tem de estar no exterior", salientou Rui Moreira.

50 ventiladores chegam de Shenzhen nos próximos dias

Ultrapassadas as questões contratuais, só falta mesmo acertar aspetos de ordem logística para trazer para o Porto os 50 ventiladores que o Município adquiriu à cidade chinesa de Shenzhen, a mais avançada no mundo em matéria de tecnlogia.

Rui Moreira revelou como vai ser feita essa distribuição nos hospitais: "25 ventiladores serão entregues no Hospital de São João, 20 no Hospital de Santo António e 5 ao Hospital de Cascais, em articulação com o presidente da Câmara", Carlos Carreiras.

Reforço de camas no Centro de Acolhimento Temporário Joaquim Urbano

O presidente da Câmara do Porto, que fazia uma síntese esta manhã de ações que o Município já desencadeou no combate ao novo coronavírus, assinalou ainda que o Centro de Acolhimento Temporário Joaquim Urbano tem capacidade instalada para aumentar a resposta a pessoas em situação de sem-abrigo.

"Foram disponibilizadas um conjunto de camas, que estão a ser montadas no Joaquim Urbano", afirmou o autarca, assinalando, contudo, que as instituições que trabalham diretamente com as pessoas em situação de sem-abrigo têm reportado falta de voluntários. Além disso, "só poderão ir livremente, não os podemos obrigar", destacou.

As refeições estão a ser concentradas nos dois restaurantes solidários do Município do Porto, localizados no Centro de Acolhimento Joaquim Urbano e num espaço próximo à Praça da Batalha (junto à Ordem do Terço).