Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Porto homenageou vida e obra do Padre Américo
24-10-2016

A cidade do Porto homenageou, no passado sábado, a vida e obra do Padre Américo, fundador da Casa do Gaiato, aproveitando o lançamento da obra "É tempo de falar do Padre Américo", que decorreu junto à estátua do próprio, localizada na Praça da República.


A sessão foi presidida por Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, com a presença de D. António Francisco dos Santos, Bispo do Porto e do padre Júlio Pereira, diretor da Casa do Gaiato e autor do prefácio da obra.


Rui Moreira disse não ter tido a "fortuna" de conhecer pessoalmente o homenageado, uma vez que nasceu no ano em que ele morreu, mas que, nas palavras do avô do presidente da Câmara do Porto, o Padre Américo "era um santo".


"É essa a imagem que o Porto tem", referiu o edil, que aproveitou a ocasião para explicar que muita da ação do Município serve para "contribuir para mais e melhor coesão social", dando como exemplo as Comissões de Proteção de Crianças e Jovens "justamente descentralizadas para as autarquias".


D. Antonio Francisco dos Santos, Bispo do Porto aludiu ao facto da homenagem extravasar os limites da cidade, dado que, o Porto é uma terra de "gente agradecida que não esquece os seus e que nunca se cansa de agradecer".


"Estou aqui para continuar o Padre Américo e continuar a sua obra", referiu o Bispo do Porto.


Na cerimónia foram ainda entregues os prémios aos três primeiros classificados do Concurso Padre Américo/Casa do Gaiato.


O livro inclui poemas, pinturas e desenhos de autores que admiram o legado do fundador da Casa do Gaiato e uma das mais influentes figuras da igreja do século XX.


Com a edição do livro inicia-se um conjunto de iniciativas que vão ser desenvolvidas para assinalar, em 2017, os 130 anos do nascimento do padre Américo (23 de outubro de 1887).


O valor da venda da obra reverte, na totalidade, a favor da Casa do Gaiato, uma instituição particular de solidariedade social, fundada pelo Padre Américo em 1940, e que acolhe crianças e jovens em risco.