Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Milhares de candidatos ao ensino superior escolheram o Porto para estudar
12-09-2016

A Universidade do Porto (U. Porto) registou o maior número de candidatos em primeira opção por vaga disponibilizada no concurso nacional de acesso ao ensino superior deste ano. Por cada uma das 4.160 vagas disponibilizadas por esta instituição de ensino da cidade, houve 1,9 candidatos que colocaram a U. Porto como primeira opção para frequentar o ensino superior, ou seja, a UP teve quase o dobro dos candidatos às vagas disponíveis.


Os resultados divulgados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) à meia-noite de sábado para domingo, mostram que a instituição preencheu 99,3% das vagas, com apenas três dos 52 cursos a terem vagas sobrantes (Engenharia de Minas e Geoambiente, Ciências de Engenharia e Química).


A U. Porto lidera, também, no ranking da classificação média de entrada, embora tenha perdido o curso com a nota de entrada mais alta do país: Medicina é ainda o mais alto dos cursos de educação médica do país, com 18,40, mas perdeu o lugar geral para dois cursos do Instituto Superior Técnico (IST), em Lisboa: Engenharia Aeroespacial e de Engenharia Física e Tecnológica, com 18,52 de requisito de entrada.


A UP registou, globalmente, as mais altas notas de entrada no ensino superior, sendo da Universidade do Porto quatro dos seis cursos com as mais altas médias de entrada do País, ou num universo mais alargado, nove dos 25 cursos (36%), com as notas mais elevadas.


Os quatro cursos da UP que estão no 'top' seis são Engenharia e Gestão Industrial, da Faculdade de Engenharia (184,8 valores o último candidato), Medicina, na Faculdade de Medicina (184 valores), Medicina, no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (182,5 valores), e o curso de Bioengenharia da Faculdade de Engenharia (182 valores).

 


Politécnico do Porto preencheu a quase totalidade das vagas


Também o Instituto Politécnico do Porto (IPP) conseguiu, na primeira fase do concurso, tornar-se na única instituição politécnica do país a preencher 95,6% das vagas.


A instituição, nascida há três décadas, registou, entre o universo de 15 institutos politécnicos, o melhor índice de força (IF), com 114%, dado que mede o número de alunos que põe determinado curso como primeira opção, em face do número de vagas disponibilizadas.


Todos os cursos da nova Escola Superior de Hotelaria e Turismo atingiram uma ocupação de 100%. Quanto às médias de entrada, a destacar, ainda, o facto de duas das engenharias do IPP terem registado as melhores notas de entrada nos politécnicos, nomeadamente, Engenharia de Gestão Industrial, com 166,3 valores e engenharia Biomédica, com 164,5 valores.

 

A 1.ª fase do concurso de acesso ao ensino superior público colocou 42.958 novos alunos nas universidades e politécnicos, um aumento de 2,1% em relação à mesma fase em 2015, segundo dados da DGES.


Os quase 43 mil colocados em 2016, comparados com os 42.068 do ano anterior, traduz-se em mais 890 estudantes que conseguem lugar na 1.ªfase, face a 2015. Este ano, houve, na 1.ª fase, mais 133 vagas a concurso do que em 2015.


A 2.ª fase do concurso decorre de 12 a 23 de setembro, para os candidatos que não conseguiram lugar na 1.ª fase, para colocados que queiram mudar de curso ou instituição. Os resultados da 2.ª fase serão divulgados a 29 de setembro.