Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Porto e Famalicão unidos na intenção de dinamizarem projeto para a valorização do património camiliano
16-03-2017

No dia em que se assinala o 192.º aniversário do nascimento de Camilo Castelo Branco, os presidentes da Câmara do Porto e de Famalicão realizaram uma visita a algumas das instituições da cidade que marcaram a vida e a obra do romancista. O objetivo deste périplo foi também avaliar a criação de um projeto de valorização do património camiliano.

 

O encontro iniciou-se, pela manhã, com uma visita à Venerável Irmandade de Nossa Senhora da Lapa e a deposição de uma coroa de flores no túmulo de Camilo Castelo Branco, no cemitério da Irmandade da Lapa, a que se seguiu um passeio a pé, informal e descontraído, rumo à Cadeia da Relação, aqui e ali interrompido por pequenas conversas entre Rui Moreira e a população que o abordava.

 

O projeto para criação de uma rota turística em torno da vida e obra do romancista, que a autarquia famalicense pretende desenvolver em colaboração com outras instituições da região norte, nomeadamente a Câmara do Porto, foi o tema principal da reunião trabalho que se seguiu à visita ao Centro Português de Fotografia (antiga Cadeia da Relação) e à cela onde Camilo esteve preso.

 

A iniciativa juntou, além do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, e do presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, também o Diretor Regional de Cultura do Norte, António Ponte, o provedor da Venerável Irmandade da Ordem de Nossa Senhora da Lapa, António Joaquim Amaral, o responsável da Livraria Lello, Manuel Sousa, e o diretor do Centro Português de Fotografia (CPF), Bernardino Castro, entre outros representantes de instituições parceiras.

 

O objetivo de colocar no terreno um projeto de valorização do património camiliano, como produto de interesse turístico-cultural, surgiu em outubro de 2016, na sequência de uma mesa redonda, promovida pela Casa de Camilo, subordinada ao tema "Património Camiliano: Que requisitos para uma rota turística?".

 

Desde aí, a autarquia famalicense tem procurado suscitar o diálogo e a reflexão com representantes de outros municípios e entidades da região norte, direta ou indiretamente relacionados com a vida e a obra do romancista, para a criação de um projeto de valorização do património camiliano como produto de interesse turístico-cultural.