Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Pode uma final de futebol ser património cultural?
11-10-2015

A Taça dos Campeões Europeus, conquistada pelo FC Porto em 1987, foi ontem o objeto alvo de um muito parcial debate que decorreu no museu do clube, numa iniciativa do Pelouro da Cultura da Câmara do Porto a que assistiu o também portista Rui Moreira, que teve a "felicidade" de assistir, no estádio, à final de Viena.


Miguel Guedes, o músico e comentador, debateu com João Pinto, o número 2, num fim de tarde muito azul, onde se recordaram as emoções provocadas pelo calcanhar de Madjer e pelo pé de Juary. No âmbito da série "Um objeto e seus discursos por semana", que tem debatido o património cultural da cidade, chegou ontem a vez da famosa taça, que, na verdade, é uma réplica do troféu conquistado em 1987.


João Pinto recordou o que sentiu quando se agarrou - e não quis largar - à taça, mal terminou a famosa final de Viena. Miguel Guedes, que então tinha 15 anos, contou ter sido a primeira vez que bebeu champanhe "a sério".


Na sala do museu, entre o público interessado, destacavam-se ainda outros dois campeões, Fernando Gomes e Eduardo Luís. Presentes estiveram ainda o administrador da SAD do FC Porto Fernando Gomes, o presidente da Assembleia Geral da SAD, José Manuel Matos Fernandes, assim como o presidente da Assembleia Municipal, Miguel Pereira Leite, o vereador da Habitação e Acção Social, Manuel Pizarro e, claro, o da Cultura, Paulo Cunha e Silva, impulsionador do programa "Um objeto e seus discursos por semana", que vai na sua segunda edição.


No final da iniciativa, Rui Moreira sublinhou que o Museu do FC Porto é um museu da cidade e que o clube é parte importante da marca Porto.